Mercado deve avançar na padronização de informações sobre práticas ESG

Dispor de métricas para comparar as atividades e o impacto de empresas e setores vai favorecer a alocação de recursos por investidores institucionais e pessoas físicas
Indústria de investimentos tem evoluído na formulação de normas para medir ações e impacto ESG das empresas de capital aberto | Foto: GettyImages (NicoElNino/Getty Images)
Indústria de investimentos tem evoluído na formulação de normas para medir ações e impacto ESG das empresas de capital aberto | Foto: GettyImages (NicoElNino/Getty Images)
Por Da RedaçãoPublicado em 01/01/2022 08:15 | Última atualização em 31/12/2021 11:59Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A indústria de ativos financeiros atrelados aos princípios ESG continuará a ganhar tração e a atingir marcas históricas em 2022. A emissão de green bonds, títulos cujos recursos captados são destinados a atividades que mitigam o impacto ambiental, por exemplo, deve alcançar a marca inédita de 1 trilhão de dólares no mundo, segundo projeção da Climate Bonds Initiative.

O salto de mais de 200% em relação a 2020 contará com o impulso da formulação de métricas que permitam a padronização dos impactos em diferentes indústrias.

Como mensurar e, mais importante, comparar as práticas e a aderência aos princípios ambientais, sociais e de governança de empresas que atuam em atividades distintas, como o varejo e o agronegócio?

No ano de 2022 os stakeholders da comunidade ESG e da indústria de investimentos vão avançar nessa frente regulatória.

Especialistas dizem que esse será um passo fundamental para que um número maior de grandes investidores institucionais, de fundos de pensão a family offices, possam incorporar ativos que atendam às exigências de governança. É algo que vai também beneficiar investidores pessoa física, que terão parâmetros para adotar esses ativos.

Um passo importante foi dado na COP26 em Glasgow, na Escócia, em novembro: a Fundação IFRS criou um conselho para estabelecer um padrão global de medição dos impactos ambientais causados pelas empresas. Uma nova indústria toma forma.

Na sequência, no último dia 23, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) publicou resolução que orienta que, a partir de 2023, as empresas de capital aberto no mercado brasileiro divulguem informações relacionadas a práticas ESG, da preparação de relatórios específicos de atividades com esse fim até o cálculo de inventário de emissão de gases de efeito estufa.

O foco ainda está nas questões climáticas, mas especialistas dizem que naturalmente a CVM e as companhias serão impelidas a determinar e a adotar padrões para as práticas sociais e de governança também.

Fique por dentro de todas as notícias sobre ESG. Inscreva-se aqui