ESG

Governos apresentam soluções para combater o lixo no mar

Na Conferência dos Oceanos, representantes do Canadá, Reino Unido e Portugal apresentaram ações práticas para o fim do plástico e outros resíduos nos mares, além de convidar iniciativas privadas para contribuírem

Duarte Cordeio, do Ambiente da Ação Climática de Portugal na Conferência dos Oceanos, em Lisboa  (Leandro Fonseca/Exame)

Duarte Cordeio, do Ambiente da Ação Climática de Portugal na Conferência dos Oceanos, em Lisboa (Leandro Fonseca/Exame)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 29 de junho de 2022 às 09h16.

Última atualização em 29 de junho de 2022 às 09h16.

*De Lisboa, Portugal.

As parcerias público-privadas para soluções contra poluição marinha foi tema de um debate na Conferência dos Oceanos, em Lisboa, na manhã desta quarta-feira, 29. Na ocasião, representantes de governos apresentaram soluções já em andamento, além de propor parcerias.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

O Ministro do Pacífico e do Meio Ambiente Internacional no Reino Unido, Lord Goldsmith, reforçou a importância do cumprimento do acordo internacional pelo fim da poluição plástica, que se baseia em três propostas iniciais de várias nações e estabelece um Comitê Intergovernamental de Negociação, com funcionamento a partir deste ano.

A meta é concretizar uma proposta para um acordo global até o fim de 2024. "Não podemos falhar, esse é o momento de agir e temos muito a fazer", disse o ministro.

Já Duarte Cordeiro, Ministro do Ambiente da Ação Climática de Portugal, reforçou o dano que a poluição causa. "Precisamos de soluções inovadora e financeiramente viáveis. A economia circular do plástico é um caminho", afirmou. Em entrevista exclusiva para a EXAME, Duarte lembrou que Portugal é o país que mais limpou praias em 2021.

Das 260 iniciativas do ano passado, 175 aconteceram em praias portuguesas, isto é mais de 67%. "Temos um trabalho intenso em praias e ribeiras para evitar que o lixo chegue aos oceanos, e acreditamos na economia circular como chave para o avanço", disse Duarte.

Outro exemplo de ação prática que já acontece no combate do lixo no mar é do Canadá. Na Conferência, Lawrence Hanson, do Ministério da Pesca e Oceanos, afirmou que mais US$ 10 milhões em financiamento para o fundo Ghost Gear foram liberados em 2021-2022.

A iniciativa promove o tratamento de equipamentos de pesca abandonados, perdidos ou descartados. Até agora, o Programa Ghost Gear recuperou um total de 224 toneladas de artes de pesca e detritos marinhos.

"Estamos fazendo um bom progresso, mas também comprometidos a continuar e cooperar com organizações ao redor do mundo", disse Hanson.

Leia também:

Acompanhe tudo sobre:CanadáConferência dos Oceanos 2022OceanosPescaPortugalReino Unido

Mais de ESG

Reunião de Lula sobre corte de gastos e decisão de juros na Europa: o que move o mercado

Dividendos de R$ 1,60 por ação são só o começo para esta companhia, dizem analistas

Bolsa Família paga hoje para quem tem NIS final 1

"Mini-Pantanal Paulista" enfrenta morte de peixes e usina é investigada

Mais na Exame