• AALR3 R$ 19,62 -0.66
  • AAPL34 R$ 73,23 -0.45
  • ABCB4 R$ 16,95 2.85
  • ABEV3 R$ 14,79 0.68
  • AERI3 R$ 4,14 -5.48
  • AESB3 R$ 10,86 1.21
  • AGRO3 R$ 31,63 0.06
  • ALPA4 R$ 21,78 0.41
  • ALSO3 R$ 20,30 2.16
  • ALUP11 R$ 26,40 0.80
  • AMAR3 R$ 2,43 2.10
  • AMBP3 R$ 30,05 1.42
  • AMER3 R$ 23,25 -1.73
  • AMZO34 R$ 70,77 -1.06
  • ANIM3 R$ 5,73 3.24
  • ARZZ3 R$ 83,17 0.48
  • ASAI3 R$ 15,77 2.60
  • AZUL4 R$ 21,77 2.40
  • B3SA3 R$ 11,77 1.03
  • BBAS3 R$ 36,33 2.57
  • AALR3 R$ 19,62 -0.66
  • AAPL34 R$ 73,23 -0.45
  • ABCB4 R$ 16,95 2.85
  • ABEV3 R$ 14,79 0.68
  • AERI3 R$ 4,14 -5.48
  • AESB3 R$ 10,86 1.21
  • AGRO3 R$ 31,63 0.06
  • ALPA4 R$ 21,78 0.41
  • ALSO3 R$ 20,30 2.16
  • ALUP11 R$ 26,40 0.80
  • AMAR3 R$ 2,43 2.10
  • AMBP3 R$ 30,05 1.42
  • AMER3 R$ 23,25 -1.73
  • AMZO34 R$ 70,77 -1.06
  • ANIM3 R$ 5,73 3.24
  • ARZZ3 R$ 83,17 0.48
  • ASAI3 R$ 15,77 2.60
  • AZUL4 R$ 21,77 2.40
  • B3SA3 R$ 11,77 1.03
  • BBAS3 R$ 36,33 2.57
Abra sua conta no BTG

Fundo ESG quer investir até R$ 15 mi em startups de impacto

A Rise Ventures olha para negócios de impacto além do capital; gestora também cuida da gestão e profissionalização de empresas em estágio inicial
Pedro Vilela, fundador da Rise Ventures: fundo quer atrair sete startups para investimento e mentoria nos próximos cinco anos (Divulgação/Rise Ventures)
Pedro Vilela, fundador da Rise Ventures: fundo quer atrair sete startups para investimento e mentoria nos próximos cinco anos (Divulgação/Rise Ventures)
Por Maria Clara DiasPublicado em 25/12/2020 10:00 | Última atualização em 08/01/2021 18:00Tempo de Leitura: 4 min de leitura

“Pegamos pequenas empresas que têm a cara dos fundadores e as entregamos ao mercado com o perfil de gestão”, diz Pedro Vilela, cofundador e presidente da Rise Ventures, gestora de negócios de impacto que agora anuncia o lançamento de um fundo de investimento próprio que pretende injetar capital em sete empresas nos próximos 5 anos.

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research

A Rise surgiu em 2016 da vontade dos três fundadores Pedro Vilela, Tiago Longuini e Daniel Madureira, em criarem um modelo de investimentos mais inclusivo e que ao mesmo tivessem um retorno financeiro positivo. Até o momento, a gestora usava capital próprio dos sócios e fundadores para investir cerca de 15 milhões de reais em três empresas: a Beleaf, do setor de alimentação à base de plantas; Alba Energia, empresa de energia solar e a Okena, companhia de gestão de resíduos.

“Olhamos para empresas de economia real, e que possuem produtos de impacto que podem ser acelerados ou viabilizados com a ajuda de tecnologia”, diz Pedro Vilela, co-fundador e presidente da Rise Ventures. Segundo Vilela, os três pilares fundamentais que concentram os investimentos da Rise são social, ambiental e bem-estar.

“A atividade principal dessas empresas não deve ser apenas ESG, ou seja, olhando para boas práticas de governança e sociais. Ela deve entregar uma solução real para os principais problemas da sociedade e ESG é apenas o começo da conversa”, diz.

Com o fundo, a estimativa é que os investimentos sejam de 7 milhões de reais a 15 milhões por empresa. Para participarem do processo de seleção, as  startups interessadas devem estar em estágio inicial e ter um faturamento anual de 10 milhões a 50 milhões de reais. “Queremos empresas que são grandes demais para investidores-anjo, mas que ainda não têm faturamento suficiente para mobilizar um private equity”, diz.

A intenção da Rise é trabalhar o crescimento destas empresas para futuramente viabilizar a sua venda. O ideal, segundo Vilela, é vender as companhias quando o faturamento de cada uma atingir a média de 150 a 300 milhões de reais. “Temos esse tempo para acompanhar o crescimento dessas empresas e então vender elas com um retorno que seja vantajoso para os investidores”, diz. O fundo recém-lançado deve movimentar 300 milhões de reais nos próximos anos, segundo a empresa.

Para competir com outros fundos de investimento de impacto, a Rise vai além da injeção de capital. A gestora aposta em mentorias e gestão individual com cada empresa investida. Um time da Rise incorpora o dia a dia de cada startup, criando planos de negócios, ajudando na implementação de processos, criando comitês de governança, estabelecendo indicadores e ajudando o time de líderes durante todo o tempo em que a empresa continuar sob os cuidados da gestora.

Além disso, a Rise conta com um time de recrutamento responsável pela contratação de profissionais para cada uma das companhias. “Entendemos que ter as pessoas certas na hora certa é tão importante quanto o capital, por isso olhamos para  a gestão e  para o recrutamento de excelência”, diz Vilela.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos

“Avaliamos cerca de 160 negócios para dar um “sim”. Levando em conta o tempo que cada análise demanda fazer essa chamada ainda em 2020 é um sinal de que queremos fazer a primeira rodada de investimento já no primeiro trimestre de 2021”.

Vilela vê com otimismo os anos que vêm pela frente. De acordo com o executivo, a chegada de novos integrantes no mercado de investimento de impacto irá estimular o surgimento de novas empresas com missões sociambientais positivas e também irá expandir os recursos destinados por investidores em empresas do setor.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.