• AALR3 R$ 20,20 0.70
  • AAPL34 R$ 68,31 -2.27
  • ABCB4 R$ 17,00 2.35
  • ABEV3 R$ 14,14 -0.56
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,67 -0.09
  • AGRO3 R$ 31,05 1.40
  • ALPA4 R$ 20,94 0.00
  • ALSO3 R$ 19,50 0.78
  • ALUP11 R$ 26,51 0.42
  • AMAR3 R$ 2,38 1.28
  • AMBP3 R$ 30,70 -1.57
  • AMER3 R$ 23,09 0.61
  • AMZO34 R$ 68,12 0.65
  • ANIM3 R$ 5,49 -0.90
  • ARZZ3 R$ 81,01 -1.03
  • ASAI3 R$ 15,32 -0.52
  • AZUL4 R$ 20,89 -1.60
  • B3SA3 R$ 11,62 0.61
  • BBAS3 R$ 35,74 -0.47
  • AALR3 R$ 20,20 0.70
  • AAPL34 R$ 68,31 -2.27
  • ABCB4 R$ 17,00 2.35
  • ABEV3 R$ 14,14 -0.56
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,67 -0.09
  • AGRO3 R$ 31,05 1.40
  • ALPA4 R$ 20,94 0.00
  • ALSO3 R$ 19,50 0.78
  • ALUP11 R$ 26,51 0.42
  • AMAR3 R$ 2,38 1.28
  • AMBP3 R$ 30,70 -1.57
  • AMER3 R$ 23,09 0.61
  • AMZO34 R$ 68,12 0.65
  • ANIM3 R$ 5,49 -0.90
  • ARZZ3 R$ 81,01 -1.03
  • ASAI3 R$ 15,32 -0.52
  • AZUL4 R$ 20,89 -1.60
  • B3SA3 R$ 11,62 0.61
  • BBAS3 R$ 35,74 -0.47
Abra sua conta no BTG

Eugênio Mattar, da Localiza: foco no ESG para aprender em tempos raros

Em artigo exclusivo para EXAME, o presidente do conselho de administração da locadora de veículos Localiza explica por que a pandemia pode trazer uma oportunidade para empresas investirem na agenda ESG
Mattar, da Localiza: "A pandemia mostrou que na vida e no mundo dos negócios temos que nos reinventar constantemente e comprovou que solidariedade e senso de comunidade são fundamentais para podermos seguir em frente" (Exame/Leo Drummond/EXAME.com)
Mattar, da Localiza: "A pandemia mostrou que na vida e no mundo dos negócios temos que nos reinventar constantemente e comprovou que solidariedade e senso de comunidade são fundamentais para podermos seguir em frente" (Exame/Leo Drummond/EXAME.com)
Por Da RedaçãoPublicado em 23/05/2021 10:20 | Última atualização em 23/05/2021 10:19Tempo de Leitura: 5 min de leitura

(Por Eugênio Mattar, presidente do conselho de administração da Localiza)

 

Desde março de 2020, aprendemos a conviver e a encarar os desafios do novo coronavírus. Quem poderia imaginar que 2020 seria uma avalanche de mudanças drásticas no nosso modo de viver, que se estende até os dias atuais? A pandemia mostrou que na vida e no mundo dos negócios temos que nos reinventar constantemente e comprovou que solidariedade e senso de comunidade são fundamentais para podermos seguir em frente.

 

Para além das questões correntes relacionadas a agendas ambientais e de direitos humanos, a COVID-19 intensificou fortes dores da nossa sociedade gerando consequências duras para a população: o impacto agudo no sistema de saúde; as milhões de pessoas alcançadas pelo sofrimento da doença ou mesmo pelo luto de um parente, amigo ou conhecido; desemprego de aproximadamente 14,2% no Brasil, de acordo com último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) realizado em janeiro de 2021, e 19 milhões de brasileiros passando fome, segundo dados do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, para citar algumas.

 

Neste cenário, as empresas, além de se voltarem para dentro, diante de seu próprio contexto emergencial e de sustentabilidade com transformação digital de seus negócios e enfrentamento da ruptura das atividades, gestão e caixa, e cuidado com os colaboradores,  viram a importância do seu papel no combate da maior crise sanitária do planeta.

 

A responsabilidade social corporativa foi a protagonista no enfrentamento da covid-19 desde seus primeiros momentos no Brasil. Diversas companhias se empenharam em contribuir para diminuir os impactos da pandemia na saúde das pessoas, no sustento da população e de pequenos negócios, entre diversas outras frentes. Até hoje, de acordo com o Monitor das Doações COVID-19, criado pela Associação Brasileira Captadores de Recursos, foram doados R$ 6,89 bilhões para a causa - um marco histórico.

 

O que se acentuou e ganhou novas proporções com a crise - marcas solidárias e com propósito - já vinha sendo sinalizado no radar de parte da sociedade e em crescente movimento entre investidores. Com a pandemia, confirmamos que não há mais espaço para empresas que não se posicionem e exerçam seu papel cidadão frente aos desafios da sociedade.


Pesquisa do Barômetro Global COVID-19 da Kantar Ibope, realizada com 500 pessoas de diferentes partes do Brasil no início da crise, já mostrava que 87% dos entrevistados acreditam que as empresas deveriam comunicar seus esforços para enfrentamento da crise. Para o mercado, o cenário não é diferente. Realizado em outubro do ano passado com investidores de todo o globo, estudo do HSBC mostrou que 49% deles acreditam que o investimento em ESG (Environmental, Social and Governance) pode potencializar os resultados das empresas frente aos desafios do mundo que emerge pós-pandemia.

 

A responsabilidade ambiental, com destaque para o tema mudanças climáticas, continua sendo um assunto relevante para as empresas e sociedade, fator fundamental para a saúde do planeta e a continuidade de muitos negócios. Durante a pandemia, as certificações de carbono cresceram 40%, de acordo com levantamento da consultoria Eccaplan, realizado em parceria com a iTrack. O tema é, inclusive, prioridade da estratégia do Pacto Global da ONU para os anos de 2021 e 2023. Na Localiza, signatária do Pacto, nossa agenda de sustentabilidade avançou e chegamos à neutralização de nossas próprias operações, por exemplo.

 

Ser uma empresa cidadã, contudo, não é tarefa fácil. A cidadania precisa estar ligada à cultura e DNA, com apoio e patrocínio direto do board das companhias. Por isso, ter uma governança corporativa clara, eficiente, transparente e ética é fundamental. Um estudo muito interessante do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) evidenciou que a dedicação dos conselhos de administração nas empresas aumentou em quase 40% durante a gestão da crise do coronavírus.

Dos 94 conselheiros entrevistados, 85% acreditam que temas de ESG serão priorizados e são o principal legado dessa pandemia. No nosso caso, o Conselho atuou ativamente junto à nossa liderança, impulsionando nossos investimentos e contribuindo para fortalecer ainda mais a boa governança corporativa que é marca da Localiza.


O apoio do Conselho foi fundamental para lançarmos um ambicioso programa de Diversidade e Inclusão, que já reúne uma rede de 500 colaboradores distribuídos em cinco grupos de afinidades: Equidade de gênero, LGBTI+, Migrantes e pessoas em refúgio, Raça e Pessoas com Deficiência, responsáveis por nos ajudar a avançar nesse tema de forma consistente e realista.

 

Os dados e nossas percepções e vivências, enquanto lideranças, reforçam a importância de que a conexão entre a atuação pautada em valores relevantes para a sociedade contemporânea e o engajamento dos públicos às companhias e suas marcas refletem uma agenda que veio para ficar. Mais do que algo simpático ou simples modismo, agir para promover impactos positivos para a sociedade e para as pessoas exige autenticidade e todo um comprometimento das organizações para assumir seu papel de protagonismo nessa jornada mais sustentável para todos.


Exige uma liderança atenta e conectada com as demandas das pessoas. E nos impulsiona a seguir buscando gerar valor compartilhado a partir de uma visão de que nosso negócio é a mobilidade, e uma mobilidade sustentável. Que é boa para as pessoas, para o planeta e para o negócio.  

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.