Estamos na era dos investimentos de impacto, diz Ronald Cohen

Sir Ronald Cohen, considerado o papa dos investimentos de impacto, fala em entrevista à EXAME porque negócios não sobreviverão sem mitigar problemas ambientais e sociais
 (RoyBarPhotography/Reprodução)
(RoyBarPhotography/Reprodução)
M
Marina Filippe

Publicado em 28/04/2022 às 07:00.

Última atualização em 28/04/2022 às 09:59.

Enquanto a fortuna de bilionários aumentou em cerca de US$ 5 trilhões de dólares na pandemia da covid-19, segundo novo relatório da Oxfam, para Sir Ronald Cohen, presidente do Global Steering Group for Impact Investment e "papa" dos negócios de impacto, o capitalismo precisa ser baseado no propósito, sustentabilidade e mitigação das desigualdades.

Nascido em 1945, Sir Ronald Cohen é um empresário egípico-britânico que presidiu a Força-Tarefa de Investimento de Impacto Social criada sob a presidência do G8 no Reino Unido. Agora, ele lança no Brasil o livro "Impacto - Um novo modelo de capitalismo para gerar mudanças verdadeiras no mundo" pela editora Matrix.

"Há investidores que entenderam as implicações para a lucratividade das empresas em seu portfólio e hoje por meio do ESG buscam alcançar impacto e lucro", disse em entrevista à EXAME.

Na obra, Cohen reúne as lições para quem deseja colocar dinheiro em projetos que contribuirão para o desenvolvimento social e econômico não só da própria empresa, mas de toda a comunidade envolvida. O livro também apresenta cases de iniciativas de negócios de impacto social que geram frutos no mundo todo. Veja a entrevista completa.

Por que essa pode ser considerada a era dos investidores de impacto?

Porque os valores mudaram. Começou com jovens que não queriam comprar produtos de empresas que poluíam o meio ambiente ou criavam problemas sociais. E atraiu um público muito maior na última década, com pessoas talentosas se recusando a trabalhar para essas empresas. Isso foi percebido por investidores que entenderam as implicações para a lucratividade das empresas em seu portfólio e hoje por meio do ESG buscam alcançar impacto e lucro.

Já estamos vivendo essa era de impacto ou ela precisa evoluir ainda mais? O que exemplifica isso?

Estamos bem nessa revolução. Vemos o The International Sustainability Standards Board (ISSB) estabelecendo um conselho internacional de padrões sustentáveis ​​para a medição de impactos e a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos que acaba de anunciar sua intenção de introduzir relatórios obrigatórios sobre todos os impactos ambientais que as empresas criam.

A transparência do impacto impulsionará o ESG e o investimento de impacto, que mede o impacto criado e equivale hoje a mais de US$ 2 bilhões, porque os investidores e as empresas poderão pela primeira vez comparar o desempenho do impacto e o desempenho do lucro.

O que as empresas devem fazer para se adaptar e gerar impacto?

As empresas terão que reduzir suas emissões de carbono e outras emissões de suas operações, redesenhar seus produtos para gerar impactos positivos, melhorar suas práticas de emprego para remunerar os trabalhadores de forma justa e promover a inclusão social, além de redesenhar suas cadeias de suprimentos para minimizar os impactos negativos e maximizar os resultados positivos.

Qual a importância de os empreendedores entenderem que o impacto não é apenas para os grandes negócios, e como se diferenciar?

Os empreendedores estão aproveitando os saltos na tecnologia por meio de inteligência artificial, aprendizado de máquina, realidade aumentada e computação poderosa e o genoma se unindo.

Essas tecnologias permitem entregar impactos de maneiras que a humanidade nunca foi capaz de fazer anteriormente. Vemos inovações chegando em educação remota, saúde remota, tecnologia financeira para melhorar o acesso dos mais vulneráveis ​, energia limpa e assim por diante. Onde quer que estejam sendo gerados impactos negativos, os empreendedores desenvolverão substituições mais amigáveis ​​à sociedade e ao meio ambiente.

O senhor tem exemplos de boas estratégias para negócios de impacto no Brasil?

O investimento de impacto baseado na estratégia parece ser particularmente apropriado para o Brasil. Você pode imaginar programas de investimento melhorando os níveis de escolaridade e os meios de subsistência em áreas distantes.

Ferramentas como títulos vinculados à sustentabilidade, títulos de impacto social, fundos de resultados, bancos de investimento social financiados por ativos inativos em bancos e seguradoras podem ser direcionados para lidar com questões locais.

 Como entender se é melhor investir em filantropia ou negócios de impacto?

De um modo geral, os modelos de caridade tendem a ser mais apropriados para a prestação de serviços. Por exemplo, encontrar empregos para jovens presos recém-libertos requer o apoio de uma comunidade que torna os modelos filantrópicos mais adequados. Por outro lado, quando estão envolvidos produtos que impulsionam o crescimento e o lucro, geralmente é mais apropriado usar um modelo de lucro com propósito.

Como os investidores podem escolher os melhores investimentos de impacto?

Analisando dados de impacto e entendendo quais empresas são capazes de crescer mais rápido e com mais lucratividade devido ao impacto que proporcionam. A Tesla é um bom exemplo porque os consumidores não queriam mais carros que poluíssem a atmosfera e a Tesla aproveitou essa demanda latente.

Como transparência de impacto porque a regra para empresas e investidores, nos próximos três anos, a ligação entre o desempenho do impacto e o desempenho do lucro se tornará muito mais aparente. Mas já hoje, é aconselhável que os investidores evitem empresas que poluem o meio ambiente ou criam problemas sociais porque provavelmente serão reguladas