• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Cargill aposta em ‘máscaras’ que absorvem metano de vacas

O acessório semelhante a uma máscara foi desenvolvido pela startup britânica Zelp, que afirma poder reduzir as emissões de metano em mais da metade
 (Getty Images/Reprodução/Getty Images)
(Getty Images/Reprodução/Getty Images)
Por BloombergPublicado em 01/06/2021 12:40 | Última atualização em 01/06/2021 12:40Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Por Agnieszka de Sousa, da Bloomberg

A gigante agrícola Cargill começará a vender dispositivos vestíveis que absorvem o metano expelido pelas vacas, apoiando uma tecnologia experimental que pode ajudar o setor a reduzir emissões de gases de efeito estufa.

O acessório semelhante a uma máscara foi desenvolvido pela startup britânica Zelp, que afirma poder reduzir as emissões de metano em mais da metade. A Cargill disse na terça-feira que espera começar a oferecer os dispositivos a produtores de leite europeus em 2022. As empresas ainda não definiram o preço, mas a Zelp diz que o plano de assinatura anual cobraria a partir de US$ 80 por vaca.

Combater as emissões de metano do gado é uma das questões climáticas mais críticas - e mais difíceis - para empresas de carnes e laticínios que estão sob pressão crescente para despoluir cadeias de abastecimento. Ter acesso à vasta rede de clientes da Cargill pode ajudar a Zelp a garantir demanda enquanto se prepara para lançar um produto ainda em desenvolvimento.

“A Cargill tem um alcance impressionante em fazendas leiteiras na Europa”, disse o CEO da Zelp, Francisco Norris. “Estão posicionados de forma única para distribuir nossa tecnologia a um grande número de clientes, tanto pecuaristas quanto empresas de laticínios, maximizando a implementação desde o primeiro ano em que chegamos ao mercado.”

Cerca de 95% do metano liberado pelas vacas é expelido por meio de arrotos e pelo nariz. O gás retém 80 vezes mais calor do que o dióxido de carbono em seus primeiros 25 anos na atmosfera. Os dispositivos vestíveis da Zelp, colocados acima da boca das vacas, agem mais ou menos como o conversor catalítico em um carro. Um conjunto de ventiladores alimentados por baterias carregadas com energia solar suga os arrotos e os prende em uma câmara com um filtro que absorve o metano. Quando o filtro está cheio, uma reação química transforma o metano em CO₂, que é então liberado.

A Zelp trabalha na miniaturização da tecnologia e na otimização da energia dentro do dispositivo, disse Norris. A empresa está em negociações com uma série de possíveis parceiros de fabricação e pretende estar pronta para produção em massa no final do ano. A meta é produzir 50 mil unidades no primeiro ano e até 200 mil unidades no próximo. A empresa está perto de concluir sua próxima rodada de financiamento, de acordo com Norris.

A Cargill se interessou pelas máscaras porque podem ser usadas em combinação com outras soluções, disse Sander van Zijderveld, líder de tecnologia e marketing estratégico de ruminantes da empresa para a Europa Ocidental. Vários fornecedores de alimentos estão testando ou começaram a usar aditivos para rações que inibem os micróbios no estômago das vacas para ajudá-las a produzir menos metano.

“O bom da Zelp é que pode complementar uma vaca que já está recebendo aditivos na ração para reduzir as emissões de metano”, disse. “Ainda pode capturar o metano que está saindo. Poderíamos reduzir ainda mais.”

A Cargill espera que os chamados “wearables” comecem a ser vendidos no segundo semestre do próximo ano após mais testes, que se concentrarão no comportamento animal e no impacto na redução do metano. A empresa pode expandir o programa para fora da Europa se a demanda for alta.

A Zelp ainda precisa provar a especialistas independentes que a tecnologia funciona. Norris disse que estudos revisados por pares ocorrerão no quarto trimestre, após o produto ter sido totalmente otimizado.

  • O futuro do Agro está na tecnologia. Quer saber como? Assine a EXAME.