• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Câmara vota projeto que inclui energias renováveis em fundo ambiental

De autoria do deputado Gustavo Fruet, projeto inclui a expansão das fontes limpas de energia nas prioridades do Fundo Nacional de Meio Ambiente
 (Getty Images/Agency)
(Getty Images/Agency)
Por Rodrigo CaetanoPublicado em 23/11/2021 06:00 | Última atualização em 22/11/2021 19:22Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Câmara dos Deputados deve votar nesta terça-feira, 23, um projeto de lei que direciona recursos do Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA) para a expansão das energias renováveis. Criado em 1989, o FNMA atualmente é focado em atividades florestais, como unidades de conservação e recuperação de áreas degradadas.

O projeto é de autoria do deputado Gustavo Fruet (PDT-PR) e foi aprovado na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, sob a relatoria da deputada Carla Zambelli (PSL-SP), na semana passada. A proposta altera a Lei 7.797/89, que criou o FNMA.

A EXAME antecipou as ofertas da Black Friday de cursos e MBAs focados em ESG. Aproveite:

A polêmica em torno da inclusão das renováveis entre as prioridades do FNMA, o mais antigo fundo ambiental da América Latina, é o fato de abrir a possibilidade de os recursos serem acessados por grandes empresas que atuam na construção de parques de energia eólica e solar.

No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro excluiu, por decreto, os representantes da sociedade civil na composição do conselho deliberativo do fundo. É ele que aprova os projetos a serem apoiados. Atualmente, o conselho é composto por representantes da Casa Civil, dos ministérios da Economia e do Meio Ambiente, do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Desde a sua criação, o fundo financiou 1.450 projetos de conservação, com 275 milhões de reais investidos.

Saia à frente quando o assunto for sustentabilidade, responsabilidade social e governança com o MBA de ESG e Impact.