ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

BID traz ao Brasil 44 especialistas para avaliar perdas no RS e investe R$ 5,5 bi em reconstrução

Especialistas do Banco Mundial, Cepal e BID chegam no Estado na próxima segunda-feira para avaliar como restante dos investimentos deve ser direcionado; ao todo, Banco Interamericano de Desenvolvimento já investiu R$ 765 mi

Ilan Goldfajn: “Essa missão é de bancos multilaterais trabalhando juntos para levantar os impactos das enchentes e formular uma proposta de reconstrução da infraestrutura e da economia gaúcha” (BID/Divulgação)

Ilan Goldfajn: “Essa missão é de bancos multilaterais trabalhando juntos para levantar os impactos das enchentes e formular uma proposta de reconstrução da infraestrutura e da economia gaúcha” (BID/Divulgação)

Letícia Ozório
Letícia Ozório

Repórter de ESG

Publicado em 13 de junho de 2024 às 13h57.

Última atualização em 13 de junho de 2024 às 17h09.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

O BID anunciou que receberá, na próxima segunda-feira, 17, um grupo de 44 especialistas globais em meio ambiente e mudanças climáticas para avaliar a situação no Rio Grande do Sul após as enchentes que assolaram o Estado. Do total, 20 dos especialistas são do BID.

A ação faz parte da estratégia do Banco Interamericano de Desenvolvimento para a reconstrução e recuperação das cidades gaúchas. Foram disponibilizados R$ 1,5 bilhão para serem usados imediatamente, dos quais R$ 765 milhões já foram investidos nas ações emergenciais. Outros R$ 4 bilhões aguardam a avaliação dos especialistas para serem disponibilizados, pontua o presidente do BID, Ilan Goldfajn.

“Essa missão é de bancos multilaterais trabalhando juntos para levantar os impactos das enchentes e formular uma proposta de reconstrução da infraestrutura e da economia gaúcha”, explicou o presidente. “Estamos falando com o governador, vice-governador, secretários e governo federal para formular uma solução para esse problema. O BID será uma ponte para a reconstrução, fornecendo recursos para essa missão que não tínhamos custo orçado”, anuncia.

O anúncio veio próximo da rejeição do BID à proposta da prefeitura de Porto Alegre para que perdoasse a dívida que a cidade possui com a instituição, estimada no valor de US$ 2,4 milhões, segundo o presidente do banco de desenvolvimento. “A Prefeitura de Porto Alegre tem à disposição US$ 150 milhões oferecidos pelo BID.  Essa parcela é 60 vezes maior que o valor que o município está com dívida. Por uma questão de procedimento, manter a dívida e garantir que ela seja paga facilita que o BID dê muito mais para a prefeitura”, conta Goldfajn.

Ainda sobre os efeitos das mudanças climáticas, o presidente do BID anunciou que apesar do banco ter um arcabouço para desastre naturais, o valor movimentado não é suficiente. “Temos que reformular para que faça sentido na nova visão moderna. Um valor que permita que possamos nos preparar opara as tragédias, e para que quando ocorram, trabalhar a contingência de recursos financeiros, como bonds de catástrofes e linhas de crédito emergenciais”, explica.

Ilan Goldfajn ainda anunciou que o banco irá anunciar em 2025 após a reunião anual do BID no Chile, um programa contingente regional para trabalhar fundos regionais preparados para as mudanças climáticas, tema que deve crescer cada vez mais nos investimentos do BID.

Acompanhe tudo sobre:Banco Interamericano de DesenvolvimentoEnchentes no RS

Mais de ESG

Lobo-cinzento escapa do extermínio e agora sua proteção está sob ameaça

Maurício de Sousa e Unicef promovem leilão de 31 versões do Sansão criadas por estilistas

"Mini-Pantanal Paulista" enfrenta morte de peixes e usina é investigada

PUC-Rio migra do petróleo à energia limpa para ser o motor econômico do Rio de Janeiro

Mais na Exame