ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

As cidades com o melhor transporte público, segundo guia de Berkeley

Helsinque, Amsterdã e Estocolmo foram apontadas como os locais com melhor mobilidade, de acordo com o Fórum Oliver Wyman e a Universidade de Berkeley, da Califórnia

Transporte público: Helsinque é apontada como local com melhor mobilidade dentre mais de 60 cidades (Ismail Duru/Anadolu/Getty Images)

Transporte público: Helsinque é apontada como local com melhor mobilidade dentre mais de 60 cidades (Ismail Duru/Anadolu/Getty Images)

Fernanda Bastos
Fernanda Bastos

Repórter de ESG

Publicado em 5 de janeiro de 2024 às 07h00.

Última atualização em 5 de janeiro de 2024 às 12h35.

Helsinque, Amsterdã e Estocolmo permanecem como as cidades com melhores mobilidade, é o que diz o quinto índice Urban Mobility Readiness Index do Fórum Oliver Wyman em parceria com a Universidade de Berkeley, da Califórnia. Já Londres e Tóquio caíram algumas posições como principais cidades em mobilidade entre 2020 e 2023. Nesta edição, o Índice apresenta 65 cidades referência em mobilidade, além de trazer recomendações para melhorar o transporte público e a mobilidade sustentável. 

De acordo com o estudo, soluções de mobilidade simples, acessíveis financeiramente e eficientes podem auxiliar as cidades a enfrentar desafios econômicos e climáticos. Cidades que oferecem mobilidade financeiramente acessível e eficiente, com itens como ciclovias e trens, podem estar mais preparadas para lidar com as ondas de calor. Outra estratégia tem sido a redução de taxas para compras de veículos elétricos

As cidades que lideram esta edição do Índice são as que optaram por investir em infraestrutura e eficiência de sistemas em vez de soluções mais inovadoras ainda em desenvolvimento, como carros autônomos, por exemplo. 

As cidades com melhores pontuações em mobilidade

Helsinque, a capital finlandesa, é a primeira colocada no Índice. A cidade tem zonas sem carros, investimentos em infraestrutura para o carregamento de veículos elétricos e boa estrutura para ciclistas – além de uma rede de transportes públicos em expansão, com projetos elétricos. Uma das estratégias é aumentar a oferta do transporte público e oferecer um bilhete relativamente acessível de cerca de três dólares.  

Outra cidade de destaque é Hong Kong que, segundo o estudo, continua a ser modelo de transporte público. “Pelo segundo ano consecutivo, a cidade lidera o Subíndice de Transporte Público graças à sua eficiência, preço acessível e acessibilidade, o que permitiu que o sistema de transporte público da cidade representasse impressionantes 71% de toda a distância percorrida em Hong Kong. E as autoridades municipais reforçam ainda mais o sistema de trânsito que, em 2023, começaram a trabalhar numa nova estação que ajudaria a ligar as partes oriental e ocidental dos Novos Territórios”, afirma o documento. 

A consistência em desenvolvimento de transportes

De acordo com o levantamento, uma das chaves para o desenvolvimento de transportes é o investimento constante. “Mesmo as cidades classificadas na metade inferior do Índice podem dar passos em frente na modernização dos seus sistemas de mobilidade com investimento contínuo nos aspectos essenciais, é o exemplo de Jeddah e Bangkok, que subiram no ranking nos últimos dois anos graças a esforços determinados para aumentar o número de passageiros do transporte público com tarifas acessíveis”, diz o relatório. 

Porém, o prognóstico não é positivo para todas as cidades. Cingapura, Zurique e Los Angeles, por exemplo, foram ultrapassadas por outras cidades no ranking. Segundo o estudo, este é o caso de continuar encontrando formas de inovar, como investir no mercado de veículos elétricos e fomentar a utilização do transporte público. 

Para 45% dos consumidores, a acessibilidade e disponibilidade são fatores importantes que direcionam as decisões de mobilidade. Por esse motivo, oferecer uma rede de transporte público fácil de usar é um investimento inteligente para as cidades que querem aumentar o número de passageiros do transporte público e fazer crescer suas economias. Segundo a coalizão C40, para cada US$ 1 bilhão investido em transporte público, há um retorno cinco vezes maior, com a criação de 50 mil empregos. 

A mobilidade e a inflação 

“As elevadas taxas de inflação, em combinação com dificuldades na cadeia de abastecimento, pressionaram as famílias em todo o mundo e atrasaram a produção de veículos eléctricos e autocarros, o que pode atrasar os planos municipais de utilização de veículos eléctricos e resultar em custos mais elevados”, afirma o documento. 

Mesmo com um cenário pouco animador, o estudo demonstra entusiasmo pela indústria da mobilidade, muito puxada pela evolução chinesa e o mercado para produzir veículos elétricos, enquanto os EUA produzem semicondutores onshore. 

Quer começar a sua jornada rumo a uma carreira com propósito e ótimos salários? Então clique aqui e participe do workshop exclusivo!

Menos passageiros

Quando se discute mobilidade, o número de passageiros ainda retomou o patamar de níveis pré-pandemia – o que cria um abismo entre o que está sendo investido em infraestrutura e o retorno financeiro do setor. Segundo a Associação Americana de Transporte Público (do inglês, American Public Transit Association), 71% das maiores agências de trânsito vão enfrentar um “abismo fiscal” nos próximos cinco anos. 

Pensando nisso, Berlim e Munique aderiram ao Deutschland Ticket da Alemanha, que permite aos passageiros usarem todos os transportes públicos locais por cerca de 52 dólares/mês. Seul, na Coreia do Sul, planeja lançar um passe coletivo que permita a utilização de todas as linhas de metrô, ônibus e compartilhamento de bicicletas em 2024. 

A mobilidade sustentável

“Como a mobilidade pode ser verdadeiramente sustentável se for alimentada por petróleo e gás ou pela geração de energia com elevado teor de carbono?”, é um questionamento levantado pelo estudo. Para o índice, muitas das principais cidades no Subíndice de Mobilidade Sustentável precisam de esforços concentrados para procurar alternativas mais ecológicas. Amsterdã, Berlim, Munique e Oslo foram indicadas como cidades bastante comprometidas com a energia limpa, por usarem energia de fontes renováveis

“A vitalidade urbana depende de redes de mobilidade financeiramente acessíveis, convenientes e sustentáveis. À medida que as pressões globais colocam em causa os meios de subsistência e o clima, as cidades devem garantir a sua viabilidade como locais para viver e trabalhar no futuro”, diz o documento. 

Acompanhe tudo sobre:Mobilidademobilidade-urbanaSetor de transporteTransporte públicoCidades

Mais de ESG

Lobo-cinzento escapa do extermínio e agora sua proteção está sob ameaça

Maurício de Sousa e Unicef promovem leilão de 31 versões do Sansão criadas por estilistas

"Mini-Pantanal Paulista" enfrenta morte de peixes e usina é investigada

PUC-Rio migra do petróleo à energia limpa para ser o motor econômico do Rio de Janeiro

Mais na Exame