ESG

A diversidade em empresas não deve existir por exigência social

Muitas empresas veem a diversidade como obrigação para uma boa imagem, mas precisa é preciso que ela ocorra de forma natural

 (Luis Alvarez/Getty Images)

(Luis Alvarez/Getty Images)

Jorge Cardoso
Jorge Cardoso

Colunista

Publicado em 17 de agosto de 2023 às 09h00.

Última atualização em 17 de agosto de 2023 às 10h11.

Existem alguns paradigmas com relação à diversidade que precisamos entender. A diversidade por si só é fundamental, justamente para haver complementaridade de experiências de vida, conceitos e pensamentos. Contudo, não pode ser uma questão imposta por exigência social e, sim, deve ser uma questão imposta pela competência e necessidade.

Atualmente, algumas empresas avaliam a composição de diversidade de raça e gênero como um item obrigatório para a imagem da organização perante uma sociedade que, na realidade, requer igualdade de condições. Sempre que a igualdade é estabelecida sem julgamento de raça ou orientação sexual, a diversidade de uma organização acaba por vir de forma natural e não é objeto de partilha.

Quais são as vantagens de uma empresa diversa?

Toda a empresa onde a competência supera qualquer discriminação, os frutos serão uma diversidade não só de raça e gênero, mas principalmente de ideias. Opiniões distintas e responsáveis engrandecem qualquer estrutura empresarial e elas não têm cor ou gênero sexual.

Por isto, é importante que sejam dadas condições similares em qualquer nível para qualquer profissional. Nesta situação qualquer outro fator é irrelevante.

A diversidade nas organizações envolvidas nos programas de ESG está acima de formar quadros que apresentem questões raciais e/ou de gênero. A diversidade nas organizações deve estar pautada pelos princípios, valores, ética e de compromisso com o meio ambiente, com a sociedade e com a governança.

A diversidade nas organizações deve estar centrada na diversidade de ideias e que possam contribuir para o crescimento de todos os stakeholders.

Por isto, membros nos Conselhos de Administração ou em outras funções estratégicas devem ter, acima de tudo, compromissos com as atividades que lhe são atribuídas. A diversidade certamente virá com a necessidade de buscar a complementaridade de ideias e princípios perante os mais diversos entes diretos e indiretos que envolvem uma organização.

Acompanhe tudo sobre:branded-contentLíderes Extraordinários

Mais de ESG

Apaixone-se pela incerteza: a estabilidade é desestabilizante, e a previsibilidade é uma ilusão

A governança para herdeiros

Quando David vira Golias

Turismo cultural: porque a vida sem arte é inconcebível

Mais na Exame