Esfera Brasil

Um conteúdo Esfera Brasil

Reforma prevê modelo tributário de padrão mundial

Participantes de debate na CNI lembram que a proposta aumenta a competitividade de todos os setores da economia e ampliará emprego e renda no Brasil

Proposta de reforma tributária defendida em debate na CNI prevê um IVA dual, com cobrança no destino (CNI/Divulgação)

Proposta de reforma tributária defendida em debate na CNI prevê um IVA dual, com cobrança no destino (CNI/Divulgação)

Esfera Brasil
Esfera Brasil

Plataforma de conteúdo

Publicado em 27 de junho de 2023 às 11h23.

Última atualização em 27 de junho de 2023 às 13h56.

“Ninguém sabe quanto paga de imposto no Brasil, estamos exaustos desse sistema tributário”, disse o relator da reforma tributária na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) no início do debate sobre tema, na quarta-feira (21), na CNI em Brasília. O atual sistema tributário do Brasil é responsável pelo baixo crescimento econômico, limita a oferta de emprego e da renda, aumenta as diferenças regionais, além de tornar as exportações brasileiras e os investimentos muito mais caros no País.

O sentimento de exaustão é disseminado e a fala teve o apoio dos demais participantes: o presidente do Grupo de Trabalho (GT) da Reforma, deputado Reginaldo Lopes (PT-MG); o secretário extraordinário da Reforma Tributária do Ministério da Fazenda, Bernard Appy; e o do conselheiro da CNI, Armando Monteiro.

Para a reforma avançar, na avaliação dos especialistas, é preciso espírito público e compromisso com o País. “A gente chama de reforma, mas estamos construindo um novo modelo tributário de padrão mundial. A transição vai servir para minimizar os efeitos que, em tese, poderiam ter nos preços relativos. Eu ainda escuto: ‘deixa como está’, mas eu acho que isso é egoísmo, é negar às futuras gerações um País mais competitivo”, explicou Ribeiro.

Veja também: ‘Uma reforma tributária radical não passa’, afirma ministro Haddad a empresários

Lei complementar poderá taxar produtos nocivos à saúde, afirma Appy

Lei de Diretrizes Orçamentárias depende da aprovação do arcabouço fiscal, diz relator

Padrão internacional

De acordo com o economista Bernard Appy, a reforma tributária dará ao Brasil um sistema de tributação do consumo com as melhores características do mundo. O modelo em debate prevê a criação de dois Impostos sobre Valor Agregado (IVA) divididos entre: um nacional, que vai substituir o PIS e a Confins; e outro subnacional no lugar do imposto estadual, ICMS, e do municipal, ISS. Além disso, o sistema terá praticamente uma legislação única, ao contrário das milhares de regras, normas e leis espalhadas pelo País. Somente o ISS tem 5.568 leis municipais.

“O modelo IVA tem base ampla de incidência, sobre bens materiais, imateriais e serviços, pegando toda forma de atividade econômica. Na nova economia, a diferença entre bens e serviços está cada vez menos clara”, destacou Appy.

Arrecadação centralizada

Conselheiro da CNI, o ex-senador Armando Monteiro afirmou que há consenso da convergência do Brasil para o modelo IVA, bastante difundido internacionalmente, mas frisou a importância ficar atento para que o relatório da reforma tributária não desfigure o novo sistema, voltado para a competitividade.

Armando Monteiro pediu atenção para a necessidade de um mecanismo de arrecadação centralizada, que garanta a restituição dos créditos. Dados de 2013 apontam que, à época, havia pelo menos R$ 88,7 bilhões em créditos devidos às empresas e não pagos. “São valores importantes, que entram como custo para as empresas, sem um mecanismo centralizado para arrecadar e devolver o crédito devido. Vamos frustrar as expectativas de não cumulatividade”, explica o conselheiro da CNI.

Para Monteiro, é importante também limitar o imposto seletivo às hipóteses que o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) já contempla. “Se ampliarmos a extensão do Imposto Seletivo, alcançando insumos do próprio setor produtivo (combustível, por exemplo), estamos trazendo a cumulatividade de volta, à medida que esse imposto é monofásico e não gera crédito”, afirma.

Outra preocupação do setor produtivo é a multiplicidade de alíquotas. Armando Monteiro diz entender que o trânsito político exige concessões, no entanto, é importante limitar as concessões. O deputado Reginaldo Lopes concorda. Ele adiantou que o GT fará como o restante do mundo, com regimes especiais para segmentos como saúde, educação, transporte e alguns itens da cesta básica.

Acompanhe tudo sobre:Reforma tributáriaGoverno LulaEventos

Mais de Esfera Brasil

Incentivos à indústria farmacêutica alcançam maior patamar em quase 30 anos

Educação financeira é alternativa para combater superendividamento

Projeto dá preferência a carros movidos a biocombustíveis e hidrogênio verde em compras públicas

Além do carbono: rumo à natureza positiva

Mais na Exame