Bivar confirma Soraya Thronicke como candidata à Presidência pelo União Brasil

Vice-líder do partido do governo Bolsonaro acredita em uma "direita racional"
Eleições 2022: Partido União Brasil vai lançar a senadora Soraya Thronicke (MS) como candidata à Presidência da República. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Eleições 2022: Partido União Brasil vai lançar a senadora Soraya Thronicke (MS) como candidata à Presidência da República. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 02/08/2022 às 14:32.

Última atualização em 02/08/2022 às 18:45.

O presidente do União Brasil, deputado Luciano Bivar (PE), confirmou que o partido vai lançar a senadora Soraya Thronicke (MS) como candidata à Presidência da República. A decisão acontece depois de o próprio Bivar desistir de ser candidato ao Palácio do Planalto para tentar a reeleição como deputado.

Bivar afirmou que os ex-ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Mendonça Filho (Educação), Fernando Coelho Filho (Minas e Energia) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde), todos filiados ao União Brasil, colaboram com o plano de governo da candidatura presidencial da senadora.

"Com ela vem um plano de governo feito por quatro ex-ministros, não é um ex-ministro, são quatro ex-ministros. Não existe entre as candidaturas alguém que tenha um plano de governo tão consistente, tão substantivo quanto o da senadora Soraya Thronicke", disse o dirigente partidário ao Estadão.

Bivar e Soraya vão anunciar a nova candidatura presidencial na sede do partido em São Paulo na tarde desta terça-feira, 2.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME.

Quem é Soraya Thronicke?

A parlamentar é vice-líder do governo Jair Bolsonaro (PL) no Congresso, mas costuma adotar posições críticas ao presidente em relação à pandemia. Em entrevista ao Estadão, em janeiro, ela não garantiu que iria votar em Bolsonaro e disse que era preciso construir uma "direita racional".

Diferentemente de Bivar, a senadora não precisa renovar o mandato e ainda tem mais quatro anos no Congresso, o que a permite entrar na disputa presidencial sem ter que abrir mão do cargo.

Recuo de Luciano Bivar

De acordo com Bivar, a decisão de recuar da candidatura presidencial aconteceu para dar atenção às propostas de reforma tributária que tramitam na Câmara.

"É muito importante a gente ter uma força em defesa do Estado de Pernambuco, muitos pernambucanos achavam que era interessante eu ser deputado federal. Tem várias pautas sobre ICMS, sobre a independência, respeito ao ente federativo, o imposto único, a simplificação tributária é importante", declarou.

Apesar disso, integrantes da cúpula do União Brasil dizem que o movimento de Bivar passou por um acordo de apoio informal ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Inicialmente, o diretório da legenda em Pernambuco calculava eleger os deputados federais Mendonça Filho e Fernando Coelho Filho.

Associação com o PT: ocorre?

Colegas de Bivar no estado dizem que ele vai tentar garantir a reeleição buscando se associar a Lula, que é popular em Pernambuco.

A maior parte do União Brasil, que é fruto da fusão entre o PSL, legenda que elegeu Bolsonaro em 2018, e o DEM, rechaça apoio ao candidato do PT. A resistência se concentra principalmente nos quadros oriundos do DEM.

Mesmo em Pernambuco, Bivar tinha uma posição isolada sobre o diálogo com o PT.

O presidente do partido negou qualquer acordo com Lula. "Isso tudo é conversa. A gente tem base suficiente lá no Estado. Não existe isso, vamos fazer quatro federais no Estado de Pernambuco".

Mesmo com a candidatura de Soraya, a legenda está liberada para apoiar informalmente outros candidatos a presidente. Em Estados como Rio, Amazonas, Mato Grosso e Acre, há um endosso público à candidatura de Bolsonaro.

Outros candidatos a governador, como Ronaldo Caiado, em Goiás, e ACM Neto, na Bahia, procuram se desvincular da disputa nacional, sem apoio a nenhum candidato presidencial.

LEIA TAMBÉM: Luciano Bivar desiste de candidatura à Presidência e concorrerá a vaga na Câmara

Rodrigo Garcia

O presidente do União Brasil também disse que a legenda se encaminha para indicar o deputado Geninho Zuliani para ser candidato a vice do governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), que tenta a reeleição. A vaga de vice é disputada também pelo MDB.

O dirigente, no entanto, diz ter um acordo com o governador tucano. "Temos um acerto com ele e o vice será do União. Rodrigo Garcia é um homem muito correto, muito íntegro, isso foi pré-estabelecido há muito tempo e não tem mais nenhum questionamento. Geninho deve ser o candidato a vice do Garcia".

Questionado sobre o que faria se o MDB levasse a vaga de vice de Garcia, Bivar evitou comentar. "O MDB indicará o Senado, já ficou estabelecido isso. Se minha vó fosse mais jovem, andava de bicicleta".

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Quem são os candidatos à Presidência da República nas eleições de 2022

Lula faz movimentos para ter o apoio de Bivar e de Janones no 1º turno