Zona do euro inicia trimestre crucial para superar crise

Quase 10% dos residentes da UE receberam pelo menos uma dose, pouco mais de um terço do total nos EUA; isso é “aquém do que esperávamos”, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde

As medidas da Europa para superar a crise provocada pelo coronavírus podem finalmente estar perto de um ponto de inflexão. Depois de um início conturbado da campanha de imunização, o avanço das vacinações no segundo trimestre determinará se a zona do euro pode finalmente deixar a turbulência econômica para trás ou se perderá ainda mais espaço para outros países.

Com três meses de uma campanha de vacinação irregular, analistas mais otimistas de bancos como JPMorgan Chase e UBS reduziram recentemente as estimativas de crescimento para 2021. Ao mesmo tempo, com a perspectiva de realmente acelerar a imunização no trimestre atual, projeções comparativamente cautelosas para a região agora pareçam viáveis.

Ainda assim, não será fácil. Para que seja bem-sucedida, a campanha de vacinação do bloco deverá administrar milhões de doses todas as semanas, enquanto autoridades enfrentam surtos que levaram a novos lockdowns. A França está prestes a entrar em uma nova fase de restrições.

O caso básico é que, se as vacinações progredirem e o clima melhorar, as coisas vão melhorar. Dado o nível de demanda reprimida, isso deve gerar taxas de crescimento sólidas. Se a dinâmica de infecções continuar aumentando e houver um fechamento completo, é claro que isso não vai acontecer.

Dirk Schumacher, economista do Natixis, em Frankfurt

Mesmo com uma virada no segundo trimestre, o atraso deve sair caro devido aos problemas para a compra de vacinas pela União Europeia, entregas irregulares e lenta distribuição. Quase 10% dos residentes da UE receberam pelo menos uma dose, pouco mais de um terço do total nos EUA.

Isso é “aquém do que esperávamos”, disse a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, em entrevista à Bloomberg Television na quarta-feira. Esses problemas resultaram em lockdowns mais extensos, prejudicando o crescimento. Analistas mais otimistas rebaixaram as projeções para 2021, como o JPMorgan Chase, que agora espera expansão de 5,3% em vez de 5,8%, e o Deutsche Bank, cuja previsão caiu de 5,6% para 4,6%.

Os economistas também reavaliaram as perspectivas para o segundo trimestre. Nesta semana, o instituto Ifo da Alemanha, o Istat da Itália e o KOF da Suíça reduziram pela metade a previsão de expansão para 1,5% em relação aos 3% previstos em dezembro.

“A nova extensão das medidas de lockdown deixará uma marca na atividade no segundo trimestre, embora as campanhas de vacinação devam ganhar força nas próximas semanas”, disse o economista-chefe do BCE, Philip Lane, em um blog na quinta-feira.

O impulso da imunização aumentou a confiança no aquecimento da atividade econômica. A Bloomberg Economics até elevou a projeção de crescimento para 4,4% em 2021.

“Até o fim de maio, os que realmente precisam de vacina deveriam ter recebido, e a economia da zona do euro provavelmente será reaberta”, escreveram os economistas Jamie Rush, Maeva Cousin e David Powell em relatório. “Portanto, esperamos que a atividade se recupere rapidamente.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.