Yellen planeja poupar China de rótulo de manipuladora de câmbio

Secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, não planeja identificar a China como manipuladora de câmbio em seu primeiro relatório cambial semianual.

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, não planeja identificar a China como manipuladora de câmbio em seu primeiro relatório cambial semianual, segundo pessoas com conhecimento do assunto, medida que evitaria um novo confronto com o governo chinês.

O relatório, que ainda não foi finalizado, deve ficar pronto na quinta-feira, embora não esteja claro quando o departamento irá divulgá-lo. Durante a era Trump, o Departamento do Tesouro foi acusado de politizar o relatório depois de rotular a China como manipuladora de câmbio de repente em meados de 2019, fora do cronograma de divulgação habitual. Mas o governo americano suspendeu a designação cinco meses depois para ganhar concessões no acordo comercial.

Uma porta-voz do Tesouro dos EUA não quis comentar. O yuan offshore ampliou ligeiramente a alta intradiária após a notícia na segunda-feira, enquanto o yuan onshore mostrava pouca variação nas negociações na China na terça-feira.

A equipe de Yellen também discutiu a possibilidade de reverter uma medida do governo Trump de 2019 com limites mais baixos para determinar se uma economia está manipulando sua moeda para obter vantagem competitiva, disseram as pessoas, sob condição de anonimato. Uma reversão poderia levar a agência a reduzir o número de países monitorados quase pela metade, afirmaram.

O governo Biden tenta responsabilizar a China pelo que diz serem práticas comerciais desleais, juntamente com outras questões, como violações dos direitos humanos, enquanto analisa o que fazer com as tarifas de bilhões de dólares aplicadas sobre produtos chineses pelo ex-presidente Donald Trump.

O rótulo de manipulador de câmbio não resulta em penalidades imediatas, mas pode abalar os mercados financeiros. A lei exige que o governo trabalhe com os países para abordar o desequilíbrio da taxa de câmbio observado. Penalidades, como a exclusão de contratos com o governo dos Estados Unidos, podem ser aplicadas após um ano, a menos que o rótulo seja removido.

Embora a China deva escapar da designação de manipuladora no próximo relatório, autoridades do Tesouro estão preocupadas que o país esteja mascarando a intervenção cambial por meio de atividades em bancos estatais, de acordo com pessoas a par do assunto.

Durante sua audiência de confirmação em janeiro, Yellen disse a parlamentares que os EUA “deveriam se opor” às tentativas de outras nações de manipularem suas moedas.

Ela também sugeriu mudar os critérios do relatório cambial, dizendo que os déficits comerciais bilaterais não deveriam ser vistos como “uma única métrica abrangente”.


O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras com os principais temas da eleição americana. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.