Vendas no varejo recuam 0,1% em novembro mesmo com Black Friday

A expectativa era de alta de 0,40% das vendas no varejo. Setor foi uma das estrelas da retomada após quedas do começo da pandemia

O varejo brasileiro ficou estável em novembro e interrompeu as altas seguidas dos meses anteriores. As vendas no varejo recuaram 0,1% em novembro na comparação com o mês anterior, segundo os números divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mesmo em mês de Black Friday, a alta ficou abaixo da expectativa dos analistas em pesquisa da Reuters, que apontavam alta de 0,40% na comparação mensal.

Em relação ao ano anterior, as vendas subiram 3,4% sobre um ano antes, também abaixo dos 4,9% de consenso na pesquisa da Reuters.

Novembro marca o primeiro recuo do índice de varejo após seis meses de altas. "Assim, o setor varejista que já havia retornado ao seu patamar pré-pandemia, começa a se estabilizar", escrevem os analistas do BTG Pactual em relatório a clientes. "Levando em consideração o ano conturbado que a economia teve, o setor se sobressaiu e apresentou uma recuperação impressionante."

As vendas no varejo brasileiro tiveram os piores meses em abril e março no começo da pandemia, mas se recuperaram desde então e se tornaram um dos destaques no ano passado, puxadas pelo pagamento do auxílio emergencial.

Uma dúvida para 2021, que tem em janeiro o primeiro mês sem auxílio, será averiguar se o crescimento ou manutenção do consumo se mantém, capaz de ser um dos pilares da recuperação econômica brasileira.

Já o varejo ampliado (que inclui veículos e materiais de construção) em novembro subiu 0,6%, e 4,1% ante o mesmo período de 2019. A comercialização de veículos foi o destaque, subindo 3,5% em novembro, enquanto materiais de construção caíram 0,8%.

Das oito atividades na Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, cinco tiveram aumento de vendas. As que mais subiram foram livros, jornais, revistas e papelaria (5,6% ante o mês anterior), tecidos, vestuário e calçados (3,6%) e material para escritório, informática e comunicação (3%). Apesar da alta, essas três categorias têm perda acumulada de mais de 10% nos últimos 12 meses até novembro.

Já a área que mais caiu em novembro foi supermercados e hipermercados (-2,2%). A categoria acumula alta no ano, de 5,2%.

(Com Reuters)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.