Economia

Venda de veículos importados cai 41,4% em agosto

Em relação a julho deste ano, as vendas no mês passado avançaram 11,5%


	Importados: os dados foram divulgados pela Abeiva
 (Divulgação/Divulgação)

Importados: os dados foram divulgados pela Abeiva (Divulgação/Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de setembro de 2012 às 11h01.

São Paulo - A venda de veículos importados atingiu 11.975 unidades em agosto de 2012, queda de 41,4% ante o mesmo mês do ano passado, quando foram comercializadas 20.420 unidades. Em relação a julho deste ano, as vendas no mês passado avançaram 11,5%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (13) pela Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva).

Já nos primeiros oito primeiros meses do ano, as vendas de veículos importados recuaram 27,5% em relação ao mesmo período de 2011, para 93.685 unidades. Entre o ano passado e este ano, a Abeiva perdeu a EFFA como associada. A companhia chinesa respondia por cerca de 4% das vendas das companhias ligadas à entidade. Em função disso, as quedas nas vendas tanto mês a mês quanto no acumulado do ano poderiam ser menores caso a EFFA ainda fizesse parte da entidade.

"Mais uma vez, é preciso enfatizar que, ao comparar os dados de desempenho do setor de importados, em agosto, com o comportamento do mercado interno brasileiro, fica evidente a influência negativa das altas do IPI e do dólar", informou, em nota, o presidente da Abeiva, Flavio Padovan, que conversará com jornalistas nesta quinta-feira para detalhar os dados. Padovan disse ainda que entre os impactos do aumento de 30 pontos do IPI em abril para os importados está, além da queda nas vendas, o fechamento de cerca de 10 mil postos de trabalho, das 35 mil vagas que o setor tinha antes da medida.

Acompanhe tudo sobre:AutoindústriaCarrosCarros importadosIndústriaIndústrias em geralVeículosVendasvendas-diretas

Mais de Economia

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Mais na Exame