Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Veja quanto vale a nota de 2 mil pesos que já está em circulação na Argentina

Com uma inflação de mais de 100% ao ano, lançamento da nova cédula, a de maior valor no país, foi antecipado. Previsão era de que começaria a circular no fim deste mês

Modo escuro

As cédulas ficaram prontas antes da data prevista e só dependiam do banco central argentino para serem introduzidas no mercado (Marcos Brindicci/Reuters)

As cédulas ficaram prontas antes da data prevista e só dependiam do banco central argentino para serem introduzidas no mercado (Marcos Brindicci/Reuters)

A Argentina colocou em circulação na segunda-feira a nota de 2 mil pesos, já que a inflação de mais de 100% ao ano obriga a população a carregar pilhas cada vez maiores de dinheiro para pagar as compras diárias.

No entanto, a nova cédula vale cerca de US$ 4, ou R$ 20, se levadas em conta as taxas de câmbio paralelas comumente usadas no país. Pela taxa oficial, supervalorizada pelos controles cambiais e restrições impostas pelo governo, vale cerca de US$ 8,50.

As cédulas ficaram prontas antes da data prevista e só dependiam do banco central argentino para serem introduzidas no mercado. A previsão era que a nova nota fosse lançada no fim deste mês.

A emissão da nota de 2.000 pesos, que estampa a imagem dos médicos Cecilia Grierson e Ramón Carrillo, precursores no desenvolvimento da medicina na Argentina, assim como o edifício do Instituto Nacional de Microbiologia Doutor Carlos Malbrán, foi anunciada em fevereiro.

Embora a nova nota represente uma melhoria em relação à de 1.000 pesos, até então a de maior valor disponível no país, ainda desapontou economistas e cidadãos que clamavam por notas de até 10 mil pesos.

A rápida depreciação da moeda causou pesadelos logísticos para clientes, empresas e bancos, que tiveram que abrir novos cofres para acomodar mais notas para abastecer os caixas eletrônicos.

Com peso ‘derretendo': Argentina vira paraíso para turistas, incluindo brasileiros

Os preços ao consumidor subiram 109% em abril, a taxa mais alta desde 1991, quando a Argentina estava saindo da hiperinflação. Os aumentos galopantes de preços, juntamente com uma seca recorde, devem levar a economia argentina à recessão antes das eleições presidenciais deste ano. Economistas consultados pelo banco central veem inflação anual próxima a 150% nos próximos 12 meses

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
Projeções de mercado para PIB e IPCA têm se aproximado das estimativas da Fazenda, diz secretário
Economia

Projeções de mercado para PIB e IPCA têm se aproximado das estimativas da Fazenda, diz secretário

Há 3 horas
Gastos de famílias nos EUA aceleram e crescem 5,5% ao ano em agosto
Economia

Gastos de famílias nos EUA aceleram e crescem 5,5% ao ano em agosto

Há 3 horas
Fazenda eleva previsão para alta do PIB de 2023 de 2,5% para 3,2%, acima das projeções de mercado
Economia

Fazenda eleva previsão para alta do PIB de 2023 de 2,5% para 3,2%, acima das projeções de mercado

Há 4 horas
Governo estima captar cerca de US$ 2 bilhões com 'títulos verdes' na bolsa de NY
Economia

Governo estima captar cerca de US$ 2 bilhões com 'títulos verdes' na bolsa de NY

Há 4 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais