Economia

UE promete 25 bilhões de euros para combater crise do coronavírus

Verba será destinada para ajudar empresas a enfrentar problemas de liquidez, reforçar o orçamento da saúde e proteger o mercado trabalhista

Milão, Itália: O dinheiro para a UE deve começar a fluir nas próximas semanas (Daniele Mascolo/Reuters)

Milão, Itália: O dinheiro para a UE deve começar a fluir nas próximas semanas (Daniele Mascolo/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 10 de março de 2020 às 18h48.

Última atualização em 10 de março de 2020 às 18h49.

Bruxelas - A Comissão Europeia criará um fundo da União Europeia (UE) com um poder de fogo de 25 bilhões de euros (28 bilhões de dólares) a partir de recursos existentes para enfrentar a crise econômica causada pelo coronavírus, disse o chefe do braço executivo do bloco nesta terça-feira.

Falando após uma videoconferência de emergência entre líderes da UE, Ursula von der Leyen disse que o fundo de investimento deve ser financiado com 7,5 bilhões de euros em dinheiro da UE e ajudar setores vulneráveis ​​da economia.

"Este instrumento alcançará 25 bilhões de euros rapidamente. Para isso, proponho ao conselho e ao parlamento esta semana liberar 7,5 bilhões de euros em liquidez de investimentos"

Ursula von der Leyen, durante entrevista coletiva em Bruxelas

Os 7,5 bilhões de euros são recursos da UE que os governos nacionais não puderam gastar devido a complexidades burocráticas. Em vez de serem mandados de volta a Bruxelas, eles podem ser usados ​​para ajudar a economia, disse uma autoridade da UE à Reuters.

O total de 25 bilhões de euros seria alcançado com a adição de "fundos estruturais" da UE que já haviam sido comprometidos para países da UE no atual orçamento do bloco, disse a autoridade, acrescentando que, sem essa engenharia financeira, poderia ter sido difícil gastá-los.

O dinheiro deve começar a fluir nas próximas semanas, disse von der Leyen, acrescentando que os recursos serão canalizados para sistemas de saúde, empresas menores e mercado de trabalho.

"Estamos prontos para fazer uso de todos os instrumentos necessários", disse o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, na mesma conferência.

Ele disse que os líderes da UE concordaram em fornecer liquidez contra a crise. As regras fiscais da UE e os auxílios estatais também serão flexibilizados para facilitar os gastos públicos, acrescentou.

Von der Leyen disse que as diretrizes sobre como interpretar as regras fiscais e os regulamentos de subsídios públicos com mais clareza serão divulgadas nesta semana pelo braço executivo da UE.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusUnião Europeia

Mais de Economia

CCJ do Senado adia votação da PEC da autonomia financeira do BC

Por que Países Baixos e Reino Unido devem perder milionários nos próximos anos?

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha

FGTS tem lucro de R$ 23,4 bi em 2023, maior valor da história

Mais na Exame