Economia

Trump critica Fed por manter a taxa de juros: "Eles estragaram tudo!"

Trump chamou o Fed de "criança teimosa" por não baixar a taxa de juros e "compensar o que os outros países estão fazendo contra os EUA"

Trump: o presidente americano voltou a criticar o Fed e a alta dos juros (Carlos Barria/Reuters)

Trump: o presidente americano voltou a criticar o Fed e a alta dos juros (Carlos Barria/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 24 de junho de 2019 às 11h25.

Última atualização em 24 de junho de 2019 às 14h13.

Washington — O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou novamente o Federal Reserve nesta segunda-feira por não cortar a taxa de juros, mantendo a pressão sobre o banco central para mudar sua política monetária.

"Apesar de um Federal Reserve que não sabe o que está fazendo - elevou os juros rápido demais (inflação muito baixa, outras partes do mundo desacelerando, reduzindo ou afrouxando) e de ter realizado um aperto em grande escala, de 50 bilhões de dólares por mês - nós estamos a caminho de registrar um dos melhores meses de junho da história dos EUA", escreveu Trump em uma publicação no Twitter.

"Pense no que poderia ter acontecido se o Fed tivesse agido direito. Milhares de pontos a mais no Dow Jones, e o PIB em cerca de 4 ou 5%. Agora eles mantém o posicionamento, como uma criança teimosa, quando precisamos de cortes nos juros e afrouxamento para compensar o que os outros países estão fazendo contra nós. Eles estragaram tudo!"

O presidente dos EUA reiterou reclamação de que o Federal Reserve, liderado pelo chairman Jerome Powell, estragou os esforços de seu governo para impulsionar o crescimento econômico e exigiu corte nos juros.

O Fed anunciou na quarta-feira que fará corte nos juros a partir de julho, alegando estar pronto para combater os crescentes riscos econômicos globais e domésticos, ao avaliar as crescentes tensões comerciais e as preocupações com a inflação fraca.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEstados Unidos (EUA)Fed – Federal Reserve SystemJuros

Mais de Economia

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Mais na Exame