Economia

Temer diz que terceirização "não prejudica os trabalhadores"

Temer também ressaltou que seu governo está "engajado" em aprovar a reforma da Previdência

Temer: "Há mais de 20 anos se falava disso no Brasil e não se levava adiante", afirmou (Ueslei Marcelino/Reuters)

Temer: "Há mais de 20 anos se falava disso no Brasil e não se levava adiante", afirmou (Ueslei Marcelino/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 3 de abril de 2017 às 21h47.

São Paulo - Em sua primeira aparição pública desde que sancionou a lei que permite a terceirização irrestrita, o presidente Michel Temer garantiu que o projeto "não prejudica os trabalhadores" e que a aprovação da medida é fruto de uma "quase ousadia" de seu governo.

"Há mais de 20 anos se falava disso no Brasil e não se levava adiante", afirmou Temer, no encerramento do Fórum de Líderes Empresariais Brasil-Suécia.

O presidente fez menção ao projeto quando listava as ações do governo para tentar tirar o País da "maior recessão da história", destacando que a maior parte delas busca sanar os problemas fiscais do Brasil.

"Como tudo aquilo era crise de raiz fiscal, concebemos e temos implementado, na base de muito diálogo, reformas ambiciosas, que não são fáceis, mas que são muito necessárias e se tornaram inadiáveis", disse, citando a aprovação da PEC do teto dos gastos.

Temer também ressaltou que seu governo está "engajado" em aprovar a reforma da Previdência.

Na sua avaliação, os números do sistema previdenciário estão em "descompasso com a realidade demográfica" do Brasil. "Se nada fizermos, em poucos anos estaremos em péssima situação", argumentou.

Além disso, o peemedebista lembrou a agenda de medidas que buscam elevar a produtividade da economia brasileira, com a "profissionalização das estatais, autonomia das agências reguladoras e marcos regulatórios que gerem racionalidade econômica e segurança jurídica".

"Trabalhamos para recolocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento", disse, depois de afirmar que o momento é "especialmente favorável" ao investimento privado.

Temer também fez questão de citar a intenção do governo de aprovar uma reforma trabalhista e disse que as primeiras conversas sobre o tema envolvem empresários e trabalhadores.

"Estamos fazendo tudo pacificamente", afirmou, após dizer que "nada é feito sem dialogar amplamente com a sociedade brasileira", disse.

O presidente ainda mencionou o projeto Crescer, programa de concessões de infraestrutura à iniciativa privada. "A infraestrutura brasileira demanda ampliação e aprimoramento", disse.

Acompanhe tudo sobre:Michel TemerReforma da PrevidênciaTerceirização

Mais de Economia

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Mais na Exame