Economia

Taxa de cheques devolvidos é a maior desde 2009

A maior elevação do percentual foi constatada em Roraima e a menor taxa, em São Paulo

De acordo com economistas, o aumento se deve ao orçamento doméstico mais apertado (Dave Dugdale/Creative Commons)

De acordo com economistas, o aumento se deve ao orçamento doméstico mais apertado (Dave Dugdale/Creative Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de julho de 2011 às 12h09.

São Paulo - A proporção de cheques sem fundo, no primeiro semestre deste ano, é a maior desde 2009, com 1,93% de um total de 508,8 milhões de documentos compensados. Em igual período do ano passado, a taxa havia sido 1,87% e de 2009, 2,3%. Os dados são da pesquisa Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos.

Em junho deste ano, o índice também ficou em 1,93%, resultado ligeiramente inferior ao de maio (2%), mas que supera o registrado em igual mês de 2010 (1,75%). Na análise dos economistas, esse aumento foi provocado pelo orçamento doméstico mais apertado, com a “expansão do endividamento do consumidor, a inflação reduzindo os rendimentos familiares, as altas taxas de juros, a elevação do IOF [Imposto sobre Operações Financeiras] e as restrições ao crédito”.

A maior elevação do percentual de cheques sem fundo no primeiro semestre foi constatada em Roraima (11,87%) e a menor taxa, em São Paulo (1,46%).

Acompanhe tudo sobre:Cheque especialConsumidoresEmpresasempresas-de-tecnologiaExperianSerasa Experian

Mais de Economia

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Mais na Exame