• AALR3 R$ 20,17 0.55
  • AAPL34 R$ 68,43 -2.10
  • ABCB4 R$ 17,17 3.37
  • ABEV3 R$ 14,07 -1.05
  • AERI3 R$ 3,77 -0.26
  • AESB3 R$ 10,73 0.47
  • AGRO3 R$ 31,10 1.57
  • ALPA4 R$ 20,90 -0.19
  • ALSO3 R$ 19,32 -0.16
  • ALUP11 R$ 26,59 0.72
  • AMAR3 R$ 2,42 2.98
  • AMBP3 R$ 30,44 -2.40
  • AMER3 R$ 23,53 2.53
  • AMZO34 R$ 68,02 0.50
  • ANIM3 R$ 5,54 0.00
  • ARZZ3 R$ 80,74 -1.36
  • ASAI3 R$ 15,37 -0.19
  • AZUL4 R$ 21,17 -0.28
  • B3SA3 R$ 11,75 1.73
  • BBAS3 R$ 35,64 -0.75
  • AALR3 R$ 20,17 0.55
  • AAPL34 R$ 68,43 -2.10
  • ABCB4 R$ 17,17 3.37
  • ABEV3 R$ 14,07 -1.05
  • AERI3 R$ 3,77 -0.26
  • AESB3 R$ 10,73 0.47
  • AGRO3 R$ 31,10 1.57
  • ALPA4 R$ 20,90 -0.19
  • ALSO3 R$ 19,32 -0.16
  • ALUP11 R$ 26,59 0.72
  • AMAR3 R$ 2,42 2.98
  • AMBP3 R$ 30,44 -2.40
  • AMER3 R$ 23,53 2.53
  • AMZO34 R$ 68,02 0.50
  • ANIM3 R$ 5,54 0.00
  • ARZZ3 R$ 80,74 -1.36
  • ASAI3 R$ 15,37 -0.19
  • AZUL4 R$ 21,17 -0.28
  • B3SA3 R$ 11,75 1.73
  • BBAS3 R$ 35,64 -0.75
Abra sua conta no BTG

Tabela de preços mínimos de frete é tiro no pé, diz presidente da FPA

Frente Parlamentar da Agropecuária é contra a tabela, mas não deve agir para derrubar a MP, já que participou das negociações para o fim das paralisações
Caminhoneiros: publicação da tabela foi uma das exigências da categoria para o fim da paralisação das duas últimas semanas (Reuters/Leonardo Benassatto)
Caminhoneiros: publicação da tabela foi uma das exigências da categoria para o fim da paralisação das duas últimas semanas (Reuters/Leonardo Benassatto)
Por Camila Turtelli, do Estadão ConteúdoPublicado em 05/06/2018 17:49 | Última atualização em 05/06/2018 17:49Tempo de Leitura: 1 min de leitura

São Paulo - A presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputada federal Tereza Cristina (DEM/MS), diz que a tabela de preços mínimos de frete para o transporte de carga é um "tiro no pé" dos caminhoneiros autônomos.

Para a deputada, a medida deve encarecer o transporte. A publicação da tabela, via Medida Provisória (MP), foi uma das exigências dos caminhoneiros para o fim da paralisação das duas últimas semanas.

Tereza Cristina disse que a FPA é contra a tabela, mas não deve agir para derrubar a MP, já que participou das negociações para o fim das paralisações junto ao governo.

A deputada afirmou, no entanto, que diversas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (Adins) estão sendo preparadas por representantes do setor para serem apresentadas ao governo.

A comercialização de grãos está parada no País. Produtores e empresas estão avaliando a alta nos custos. "Não é possível ações que travem o campo", disse a deputada.