SP perderá frigoríficos se não rever sistema tributário

O principal fator que interfere na permanência da indústria em São Paulo é a definição da alíquota de créditos de ICMS do governo paulista

São Paulo - O presidente da holding J&F e do conselho de administração da JBS, Joesley Batista, disse hoje que, se o governo de São Paulo não revir o sistema tributário, o Estado perderá mais unidades frigoríficas tanto da empresa quanto de seus concorrentes. "Há 15 anos, especificamente no governo Covas, o Estado criou condições tributárias favoráveis para deixar a indústria de carne crescer e cidades como Barretos, Andradina, Presidente Epitácio foram ressuscitadas", disse o executivo. "Mas, com essa atual política tributária, já fechamos três unidades no Estado, inclusive a de Presidente Epitácio", afirmou o executivo.

"Desde 2005, o Estado vem desincentivando a indústria", criticou Batista, ressaltando que, se o governo não "reagir", mais plantas frigoríficas poderão ser fechadas. "Não só minhas, mas as dos nossos concorrentes também. A questão é uma guerra fiscal, mas em vez de ser entre Estados, a indústria que é punida", disse.

A JBS, inclusive, tem a maior unidade industrial da companhia e do mundo no Estado, que é a de Lins, no interior de São Paulo, ex-Bertin, que conta com mais de 8 mil funcionários. "Parece que São Paulo não quer mais frigoríficos. Nunca recebi um telefonema do governador para conversarmos sobre o assunto", ressaltou, informando que o Estado representa de 3% a 4% do negócio global da companhia.

O principal fator que interfere na permanência da indústria em São Paulo é a definição da alíquota de créditos de ICMS do governo paulista pelo valor do produto vindo de outros Estados. Atualmente, a devolução é de 3% e o governo de São Paulo já propôs ampliar esse porcentual para uma faixa entre 4% e 6%. "Era 19% e o Estado já 'comeu' 13% disso e ainda quer tirar mais 2%. Não dá para ficar desse jeito", disse Batista, que declarou que nem incentivo à exportação a indústria de carnes tem mais.

O executivo aproveitou para reafirmar que os ativos da BRF Brasil Foods que estão à venda não são interessantes para a JBS. "Não estamos olhando para eles", disse. Já sobre uma eventual fusão com Marfrig e Minerva, ou mesmo a compra da Marfrig, o executivo declarou que são "somente rumores".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também