Setor sucroalcooleiro foi ferido, diz Beto Albuquerque

"O setor de agronegócios não pode continuar a ser rifado pela política do Ministério da Agricultura", disse o candidato a vice de Marina Silva

	Beto Albuquerque: ele cobrou marco regulatório para o setor energético e sucroalcooleiro
 (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Beto Albuquerque: ele cobrou marco regulatório para o setor energético e sucroalcooleiro (Fernando Frazão/Agência Brasil)
G
Gustavo PortoPublicado em 28/08/2014 às 16:19.

Sertãozinho, SP - O candidato a vice-presidente de Marina Silva (PSB), deputado federal Beto Albuquerque (PSB-RS), fez nesta quinta-feira duras críticas ao tratamento dado pelo governo da presidente Dilma Rousseff (PT) ao setor sucroalcooleiro e ainda ao agronegócio.

"O setor sucroalcooleiro foi ferido quase de morte pela incompetência do governo. O setor de agronegócios não pode continuar a ser rifado pela política do Ministério da Agricultura", disse ele, ao comentar as indicações políticas para a Pasta, durante a Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética (Fenasucro), em Sertãozinho (SP).

O candidato a vice-presidente cobrou ainda um marco regulatório para o setor energético e sucroalcooleiro, com regras claras aos produtores, e reafirmou que, caso eleitos, não haverá um "governo de improvisos e não vamos fatiar a Esplanada dos Ministérios para as velhas raposas políticas do país", disse, ao lado de Marina.

Antes dos candidatos, o presidente do Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (CEISEBr), entidade que representa as indústria de base para o setor, Antonio Toniello Filho, afirmou que "o governo deixou a desejar" e que "se Deus quiser Marina vai ser presidente".