Economia

Setor do agronegócio pede cautela no tratamento com a China

Nesta semana, ministro da Educação fez comentários considerados racistas pelo chineses, que são os maiores compradores de produtos brasileiros

Agricultura: oito de cada dez sacas de soja no Mato Grosso têm como destino a China (José Roberto Gomes/Reuters)

Agricultura: oito de cada dez sacas de soja no Mato Grosso têm como destino a China (José Roberto Gomes/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 7 de abril de 2020 às 07h47.

Última atualização em 7 de abril de 2020 às 07h47.

Líderes do agronegócio brasileiro afirmaram na segunda-feira, 6, que é preciso ter cautela na forma como o País trata a China, o principal destino das exportações do setor.

É consenso entre as autoridades ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paulo que o momento é de "pacificação" diante das incertezas causadas pela pandemia do coronavírus. Os comentários foram feitos após postagem do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que irritou autoridades chinesas.

"Nossa preocupação é de pacificar e manter as boas relações. Não queremos briga, precisamos dar suporte ao governo para atravessar a crise. Estamos muito preocupados e precisamos de cautela", afirmou o ex-ministro da Agricultura Neri Geller, hoje deputado pelo PP de Mato Grosso. No Estado, oito de cada dez sacas de soja têm como destino a China.

O também ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli se disse preocupado. "Não devemos insultar ninguém. E não podemos misturar comércio com política, precisamos de uma posição mais sadia, mais madura."

Presidente da Associação Brasileira do Agronegócio, Marcello Brito declarou que "quando a gente abre um tipo de disputa dessas num momento inadequado, o que a gente espera em troca?". "Já temos tantos problemas, não precisa criar mais um. O Brasil não ganha nada com isso, só perde", disse o vice-presidente da Sociedade Rural Brasileira, Pedro de Camargo Neto.

Confronto

Uma postagem do ministro da Educação, Abraham Weintraub, nas redes sociais provocou novo tensionamento nas relações entre o Brasil e a China. Após usar o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para ridicularizar o sotaque dos chineses, Weintraub disse nesta segunda que pode até pedir desculpas à embaixada do país asiático por sua "imbecilidade", desde que a China forneça respiradores ao Brasil para o combate ao novo coronavírus.

Acompanhe tudo sobre:AgriculturaAgronegócioChinaGoverno Bolsonaro

Mais de Economia

Governo está fazendo o dever de casa no Orçamento e persegue meta de inflação, diz Tebet

Às vésperas de assumir Petrobras, Magda se reúne na empresa para avaliar cenário

Lula sinaliza possibilidade de vetar projeto de taxação de compras na Shein e AliExpress

Não há problema em divisão do Copom, diz Diogo Guillen

Mais na Exame