Economia

Servidores do BC reclamam da falta de isonomia em relação a auditores e aprovam paralisação de 2h

A reclamação dos servidores gira em torno de declarações públicas de Haddad, que diz ser favorável à regulamentação de um bônus para auditores fiscais, aprovado em 2017

Greve: a categoria alega que o projeto não traz impacto financeiro para o Estado (Agência Brasil/Reprodução)

Greve: a categoria alega que o projeto não traz impacto financeiro para o Estado (Agência Brasil/Reprodução)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 23 de maio de 2023 às 18h00.

Última atualização em 23 de maio de 2023 às 18h08.

Os servidores do Banco Central (BC) aprovaram uma paralisação de 2 horas na próxima quinta-feira, 25, entre as 14 horas e 16 horas, em protesto contra o descumprimento de acordo sobre pautas não salariais da categoria. Eles também reclamam da falta de isonomia em relação ao tratamento dado aos auditores fiscais da Receita Federal.

As decisões foram tomadas em assembleia do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal).

Servidores do BC contra Haddad

A reclamação dos servidores do BC gira em torno de declarações públicas do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que diz ser favorável à regulamentação de um bônus para auditores fiscais, aprovado em 2017, mas não trata das pautas do BC.

De acordo com o Sinal, desde abril, a categoria busca diálogo com o Ministério da Gestão para discutir a implementação da reestruturação da carreira dos servidores, que foi acordada ainda em 2022, sob a gestão Bolsonaro, entre servidores, direção do BC e governo federal.

A categoria alega que o projeto não traz impacto financeiro para o Estado, porque ajusta nomes de cargos, eleva as exigências para ingresso e atribui mais prerrogativas à carreira. No entendimento do sindicato, houve um retrocesso nas negociações, que estavam mais adiantadas no ano passado e voltaram a um estágio mais inicial.

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralFernando HaddadRoberto Campos Neto

Mais de Economia

FMI confirma sua previsão de crescimento mundial para 2024 a 3,2%

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Mais na Exame