Serviços recuam 11,7% em abril sob efeito da covid-19

No ano, o setor acumula uma perda de 18,7%, ou seja, 27% abaixo do ponto mais alto da série, em novembro de 2014

Os efeitos da pandemia do coronavírus fizeram o setor de serviços do Brasil recuar 11,7% em abril na comparação com março, na contração mais intensa da série histórica iniciada em 2011, revela a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta quarta-feira, 17 pelo IBGE.

Em março, que teve apenas os últimos dez dias afetados com o fechamento do comércio não essencial,  o setor caiu 6,9% ante o mês anterior. Já abril pega 30 dias de paralisação. Em relação a abril de 2019, o recuo foi de 17,1%, o segundo seguido nessa comparação e também o mais intenso da série histórica.

Os serviços, que começava a sofrer com a redução da demanda em fevereiro, tiveram seu terceiro recuo mensal consecutivo e, no ano, acumulam uma perda de 18,7%.

O patamar atual é 27% abaixo do ponto mais alto da série, em novembro de 2014.

 

O impacto da crise no setor em abril foi levemente pior do esperado pelo mercado, cuja expectativa ficava em torno de uma queda de 10%. Para a Exame Research, "a reabertura de alguns segmentos em maio e junho deve imprimir resultados mehores para o fim do trimestre", disse a casa de análise em relatório.

O setor de serviços é o que tem maior impacto no Produto Interno Bruto (PIB), cuja previsão do mercado medida pelo Boletim Focus já passa de queda de 6%.

Para André Perfeito, economista-chefe da Necton, os dados confirmam suas expectativas de contração de 9% da economia no segundo trimestre em relação ao primeiro. A eles são somados os dados de desempenho do varejo, divulgados ontem, com queda de 16,8% nas vendas em abril, e os da indústria, que também vieram com recordes negativos.

Setores e regiões

Todas as cinco atividades investigadas na PMC tiveram quedas recordes no mês de abril. As maiores foram para transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-17,8%) e serviços prestados às famílias (-44,1%). Juntos, os dois setores acumulam quedas de 24,9% e 61,6% em março e abril, quando foram intensificadas as políticas de distanciamento social contra a disseminação da covid-19.

A contração dos serviços aconteceu em 26 das 27 unidades da federação, segundo a pesquisa, com destaque para as perdas de São Paulo (-11,6%) e Rio de Janeiro (-12,7%), que sofreram mais com as perdas dos segmentos de alojamento e alimentação.

A exceção foi Mato Grosso, onde o transporte ferroviário de cargas voltou a crescer em abril em função do escoamento da produção de grãos. A alta de 9%, no entanto, não recupera a perda de 12,6% observada em março, destaca o IBGE.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.