Selic em 2% não era mais necessária com retomada, diz diretor do BC

"Tivemos choques na inflação que nos obrigaram a fazer ajustes [na Selic] mais rápidos que o esperado", afirmou o diretor de política monetária do Banco Central, Bruno Serra

O diretor de política monetária do Banco Central, Bruno Serra, reforçou nesta sexta-feira que o patamar da taxa básica de juro de 2,00% ao ano "não era mais necessário", em razão da retomada da atividade econômica mais rápida do que se imaginava. O Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a Selic duas vezes em 0,75 ponto percentual nas últimas duas reuniões, para 3,50% ao ano. O colegiado já sinalizou nova alta de 0,75 p.p. em junho para 4,25% ao ano.

"Aquele grau de estímulo extraordinário não fazia mais sentido, e caminhamos para a redução desse estímulo. Tivemos choques na inflação, classificados como temporários, mas que nos obrigaram a fazer ajustes [na Selic] mais rápidos que o esperado", afirmou em videoconferência organizada pelo Credit Suisse.

Serra elencou o choque de alimentos, e mais recentemente de combustíveis, ambos ocasionados pela alta dos preços das commodities e a queda do valor do real em relação ao dólar. "A inflação de serviços hoje está rodando baixa e de comercializáveis, alta", afirmou. "A tendência é que choques de inflação se aliviem bastante mais à frente", projetou.

O diretor afirmou que a entrada de dólares no Brasil é menor do que se esperaria, e alertou que as incertezas fiscais continuam. Segundo ele, algumas empresas também estão reduzindo endividamento no exterior. "A depreciação cambial em 2020 surpreendeu e puxou a inflação para cima", argumentou. "A incerteza fiscal durante a pandemia influenciou dólar em níveis mais elevados", acrescentou, citando ainda a desmontagem do overhedge dos bancos no fim do ano passado.

Confiança

Bruno Serra reforçou que a instituição segue mais otimista para a aceleração da atividade econômica do segundo semestre, que justificaria o atual ciclo de alta mais forte da Selic. "O Banco Central está mais confiante na recuperação forte da economia do que o consenso do mercado. A economia tem alguns vetores que, quando passar as restrições de mobilidade, estarão mais fortes. Isso é condizente com uma política monetária mais próxima do juro neutro", afirmou.

Para Serra, uma reversão do choque de preços comercializáveis não é esperada por ninguém ainda em 2021. O horizonte relevante das decisões do Copom já está focado no ano de 2022. "O BC está atento para que esse choque de comercializáveis fique circunscrito em 2021. Chamam a atenção as inflações implícitas em 2020 e 2021, que estão piores. Esse ajuste mais rápido da Selic agora é a chave para controlar as expectativas e garantir que esse choque seja mesmo temporário", completou.

Comunicação

O diretor de política monetária do Banco Central avaliou também que a comunicação da instituição tem se pautado pela transparência. Para ele, o BC tem deixado claro o compromisso de buscar o centro da meta de inflação no horizonte relevante. "Nossas atitudes estão em linha com a ancoragem de expectativas. Fomos criticados em março pela elevação de 0,75 p.p. por diversos participantes do mercado. Mas entendemos que precisávamos começar o ajuste de maneira mais forte", afirmou.

Segundo Serra, há de fato um choque de demanda na inflação, além do choque global dos preços das commodities. "A demanda está se comportando muito melhor que imaginávamos, e o hiato do produto está menos aberto. Como as pessoas não estão podendo consumir serviços globalmente, o setor de bens sofreu um choque de demanda enorme e os preços de commodities explodiram", detalhou. "E tivemos no Brasil um câmbio muito pior que os pares", admitiu.

O diretor ponderou, no entanto, que à medida que a economia global volte ao normal, as pessoas voltarão a consumir mais serviços, reduzindo o choque de bens que, para ele, não deve extrapolar em 2021. "Isso tende a ser revertido. Quando uma parte da renda global for revertida para serviços, os estoques de bens voltarão a ser recompostos devemos ter um resfriamento neste choque em um horizonte maior", avaliou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também