Economia

Se incerteza continuar alta, BC tem de trabalhar no ritmo de cortes, afirma Campos Neto

"Se a incerteza diminuir, voltamos para a forma de atuação que tínhamos começado", afirmou

Campos Neto: presidente do Banco Central comenta sobre ritmo de corte da Selic (Lula Marques/Agência Brasil)

Campos Neto: presidente do Banco Central comenta sobre ritmo de corte da Selic (Lula Marques/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 22 de abril de 2024 às 13h13.

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, reiterou nesta segunda-feira, 22, que devido ao cenário de incerteza há agora alguns cenários possíveis para os próximos passos do Comitê de Política Monetária (Copom).

"Se a incerteza diminuir, voltamos para a forma de atuação que tínhamos começado. Outra forma é o aumento da incerteza ficar mais tempo e criar ruídos crescentes, então teremos que trabalhar como seria o 'pace' [ritmo], teríamos que diminuir o 'pace'", disse, em participação em evento da Legend Capital, em São Paulo.

E acrescentou: "Outro cenário seria o crescimento da volatilidade da incerteza subir mais ainda e começar a afetar o balanço de riscos. Em outro cenário, chega um ponto em que muda as variáveis de tal forma que faz com que a realidade que projetamos não seja mais verdadeira, muda o que chamamos de cenário base."

Campos Neto defendeu que a visibilidade dos próximos passos da autarquia aumenta a eficiência do canal de transmissão da política monetária, mas que isso tem que ser feito quando de fato há visibilidade. "Se quiser passar visibilidade quando não tem, o que acontece é que dará um guidance e terá que trocar."

O presidente do BC repetiu que o guidance foi alterado de duas para uma reunião devido ao entendimento de que há mais incerteza na conjuntura atual. Ele acrescentou que, ao falar sobre os cenários possíveis agora, o objetivo é mostrar uma gradação do que pode ocorrer, a fim de dar mais transparência à política monetária. "Não temos como dar um guidance porque temos muita incerteza", frisou.

Câmbio

Campos Neto repetiu que a autarquia só vai intervir no câmbio se houver problemas relacionados a uma distorção do mercado, mas não por uma mudança no valor do real decorrente de alteração nos fundamentos. "Se tiver uma percepção de que o risco piorou, o câmbio vai refletir", disse o presidente do BC.

Ele repetiu que uma intervenção excessiva no câmbio pode levar a um aumento dos juros longos, já que investidores tendem a procurar outros intrumentos para fazer hedge. E acrescentou que o câmbio flutuante serve como amortecedor para o País, que tem grandes reservas em dólar, porque, quando a moeda americana se valoriza, a dívida líquida cai.

Acompanhe tudo sobre:Roberto Campos NetoBanco CentralJurosSelic

Mais de Economia

Após pedido do governo, Zanin suspende liminar que reonera a folha de pagamentos por 60 dias

Haddad: governo anuncia na próxima semana medidas sobre impacto e compensação da desoneração

Fiergs pede ao governo Lula flexibilização trabalhista e novas linhas de crédito ao RS

É possível investir no exterior morando no Brasil?

Mais na Exame