Robôs que pilotam empilhadeiras atraem capital e criam empregos

Seegrid, fabricante americana de veículos dirigidos por robôs para transportar material, planeja adicionar mais 100 funcionários aos 240 já contratados

Investidores do Vale do Silício estão aumentando as apostas em uma empresa de Pittsburgh que transforma uma máquina venerável do século passado de industrialização — a empilhadeira — em um motor do boom do comércio eletrônico.

A Seegrid, fabricante de empilhadeiras autônomas e veículos dirigidos por robôs para transportar material entre armazéns e fábricas, acaba de fechar um financiamento de 52 milhões de dólares com o Menlo, o fundo de capital de risco G2VP e um grupo não divulgado de investidores em tecnologia e robótica.

O negócio, com o UBS atuando como consultor, elevou para 150 milhões de dólares o valor total do financiamento recebido pela Seegrid, empresa avaliada em mais de 400 milhões de dólares.

A nova rodada de financiamento durante a pandemia ressalta a crescente demanda para fortalecer as cadeias de abastecimento cada vez mais dependentes de armazéns e centros de distribuição, à medida que as compras online se tornam mais habitual. A Seegrid espera dobrar a receita neste ano e planeja adicionar 100 trabalhadores a uma folha de pagamentos existente de 240 funcionários, disse o CEO Jim Rock.

“2021 parece ser um ano ainda maior e melhor”, disse ele em entrevista. “Estamos adicionando clientes como loucos e nossos clientes existentes estão adicionando mais, então é um bom momento para estar no negócio de robôs.”

Fabricados pelas divisões da Toyota e Mitsubishi e, em seguida, equipados com software e tecnologia robótica, os veículos da Seegrid estão se juntando a locais de trabalho repletos de humanos.

Nos Estados Unidos, as vagas em armazéns aumentaram para um recorde de 1,22 milhão em agosto, mostram dados do governo, marcando uma recuperação de todos esses empregos eliminados durante a pior queda causada pela covid-19 em abril.

A pandemia está transformando os padrões sazonais tradicionais da demanda do comércio eletrônico em aumento do consumo online o ano todo. Isso está forçando as empresas a investir em melhor tecnologia e mais mão de obra para garantir que suas cadeias de suprimentos possam identificar e se ajustar aos novos padrões de compra.

“Eles estão ensinando as pessoas como trabalhar com a tecnologia, não como substituir as pessoas pela tecnologia”, disse Peter Bolstorff, vice-presidente executivo de desenvolvimento corporativo da Associação para Gestão da Cadeia de Abastecimento, grupo da indústria com sede em Chicago. “A ideia é como você dimensiona essa força de trabalho da cadeia de suprimentos para poder trabalhar de forma mais eficaz com a tecnologia — seja robôs físicos ou robôs de sistema.”

Rock disse que a crise do coronavírus está acelerando o que era mais uma tomada gradual da automação que levanta preocupações sobre a perda de empregos das pessoas.

“Haverá mudanças na natureza do trabalho, mas eu não acredito na redução líquida geral no trabalho disponível e nas oportunidades de trabalho — é uma evolução para um tipo diferente de trabalho.”

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.