A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Reforma do IR: estados e municípios alegam perdas de R$ 700 milhões

Valor é muito menor que nas primeiras versões do texto, quando governos locais alegavam perdas de até R$ 27 bilhões

O texto da reforma do Imposto de Renda (IR) aprovado na noite desta quarta-feira pela Câmara dos Deputados ainda desagrada estados e municípios. De acordo com cálculos do Comitê Nacional de Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz), se ficar como está, a reforma gerará perdas de R$ 700 milhões aos governos locais. Desse total, R$ 310 milhões são para os estados e o restante para as prefeituras.

Os estados e municípios sempre foram uma das principais forças contra as mudanças no Imposto de Renda, argumentando que teriam perdas bilionárias, que segundo seus cálculos, nas versões iniciais, chegavam a R$ 27 bilhões. Esses valores deixariam de ser repassados aos entes via Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que tem como base a arrecadação federal com o IR.

Caso a taxa sobre dividendos caia de 20% para 15% na votação dos destaques, prevista para esta quinta-feira, a perda poderá ser maior, segundo integrantes do colegiado.

LEIA TAMBÉM: Ibovespa cai 2,3% após Câmara aprovar taxação de dividendos e fim do JCP

Os governadores reclamam também que deixarão de arrecadar R$ 8,8 bilhões com a retenção do IR na fonte de seus servidores com a ampliação da faixa de isenção do tributo. A proposta eleva a faixa de isenção do IR de R$ 1,9 mil para R$ 2,5 mil, fazendo com que um total de 16 milhões de trabalhadores deixem de recolher o imposto.

A suposta perda de estados e municípios acabou sendo reduzida com as diversas modificações feitas pelo relator da matéria, deputado Celso Sabino (PSDB-PA). Durante as discussões, o tamanho do corte na base do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) acabou ficando menor: era de 12,5 pontos percentuais (pp) e baixou para 8 pp. Hoje, as empresas recolhem um total de 25%.

Em contrapartida, o relator reduziu a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), hoje em 9% para 8,5%. As receitas obtidas pela União com essa contribuição não são divididas com os entes federados. Entretanto, alterar a CSLL impacta nas contas previdenciárias.

Toda semana tem um novo episódio do podcast EXAME Política. Disponível abaixo ou nas plataformas de áudio Spotify, Deezer, Google Podcasts e Apple Podcasts

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também