Economia

Reconstruir Europa após pandemia será semelhante ao pós-guerra, diz Draghi

Reconstrução deve se concentrar nas pessoas que precisam pagar a quantidade sem precedentes de dívida acumulada neste ano, disse o ex-presidente do BCE

Mario Draghi: presidente do Banco Central Europeu (BCE) (Francois Lenoir/Reuters)

Mario Draghi: presidente do Banco Central Europeu (BCE) (Francois Lenoir/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 18 de agosto de 2020 às 10h50.

Última atualização em 18 de agosto de 2020 às 11h15.

Reconstruir a Europa após a pandemia de coronavírus será semelhante ao esforço de reconstrução pós-Segunda Guerra Mundial e o bloco precisa reiterar seus valores centrais, apesar dos desafios das potências globais, disse o ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) Mario Draghi.

A pandemia arriscou uma destruição do capital humano que não era vista desde a guerra, portanto a reconstrução deve se concentrar nas pessoas que precisam pagar a quantidade sem precedentes de dívida acumulada neste ano, disse Draghi em uma palestra em Rimini, Itália.

Além disso, mesmo enquanto a Europa se transforma, ela deve se comprometer novamente com alguns de seus princípios centrais, incluindo o multilateralismo e o estado de direito global, mesmo que potências como os Estados Unidos e a China questionem esses princípios, acrescentou Draghi.

"Devemos nos inspirar naqueles que estiveram envolvidos na reconstrução do mundo, Europa e Itália após a Segunda Guerra Mundial", disse Draghi, que raramente se pronuncia desde que deixou o BCE no ano passado.

"A dívida criada pela pandemia não tem precedentes e terá de ser paga principalmente por aqueles que são jovens hoje", disse Draghi. "É, portanto, nosso dever equipá-los com os meios para o serviço dessa dívida."

Draghi afirmou que as taxas baixas de juros não tornam a dívida automaticamente sustentável e que os fundos devem ser usados para fins produtivos, incluindo investimento em capital humano, infraestrutura produtiva e pesquisa.

Ele disse que os gastos também devem refletir as mudanças de preferências da sociedade, incluindo em relação à proteção ambiental, melhores cuidados de saúde e digitalização, uma vez que o trabalho remoto deve ganhar destaque.

“Porém, há um setor que é crítico para o crescimento e, portanto, para todas as transformações que acabo de listar, e onde uma visão de longo prazo deve se casar com uma ação imediata: a educação e, de modo mais geral, o investimento nos jovens”, afirmou.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Acompanhe tudo sobre:BCECoronavírusCrise econômicaEuropaMario DraghiRecessãoUnião Europeia

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame