Rebaixamento é "tapa na cara" de Levy, diz Economist

Revista britânica diz que rebaixamento já estava até certo ponto precificado, mas teme que deputados e ministros contrários a austeridade ganhem força

São Paulo - O rebaixamento do Brasil é um "tapa na cara" do ministro da Fazenda Joaquim Levy, diz a revista britânica The Economist em artigo publicado hoje.

Na noite de ontem, a Standard & Poor's anunciou a mudança da nota da dívida do Brasil de BB+ para BB-, o que fez o país perder o grau de investimento conquistado em 2008 e entrar no patamar especulativo.

Para a Economist, este movimento já estava até certo ponto precificado pelo mercado, como mostram os valores de seguro contra calote do governo nos últimos meses.

O rebaixamento não deve "aleijar" o país como "em dias mais caóticos" graças a "uma economia diversificada e gordas reservas internacionais", mas "alguma fuga de capital é inevitável" - o que só aumenta a chance de novos rebaixamentos.

Ter o selo de bom pagador de 2 das 3 agências (como o Brasil ainda tem) tipicamente é considerado suficiente, mas o mercado pode querer se antecipar a novos movimentos.

Segundo a revista, o rebaixamento é um "tapa na cara" do ministro Joaquim Levy, nomeado justamente para evitá-lo, mas que não conseguiu passar todas as suas reformas fiscais em um Congresso rebelde sobre o qual a presidente Dilma Rousseff não tem controle.

O mistério agora é como os políticos vão reagir. Há exatamente uma semana, a Economist classificou a apresentação de um déficit no Orçamento de 2016 como um desastre e disse que os congressistas só pensavam no curto prazo e nos seus próprios bolsos.

Agora, a revista lembra que só o Legislativo pode abrir os 90% do Orçamento atualmente protegido de cortes (veja mais números) e que talvez o rebaixamento seja a motivação que estava faltavando.

A outra possibilidade é que os deputados e ministros que não gostam dos cortes de Levy concluam que mais austeridade não vale a pena - e que "não seria a primeira vez".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.