Reajuste de 5% teria custo de R$ 12,6 bilhões em 2023, afirma secretário

O governador informou que os bombardeios atingiram infraestruturas militares e um depósito de pneus, o que provocou incêndios
Servidores federais: Colnago ressaltou que o reajuste de 5% está na mesa, assim como outras propostas (Adriano Machado/Reuters)
Servidores federais: Colnago ressaltou que o reajuste de 5% está na mesa, assim como outras propostas (Adriano Machado/Reuters)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 18/04/2022 13:32 | Última atualização em 18/04/2022 13:32Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago, disse que, se for oficializado um reajuste linear de 5% para os servidores federais neste ano, o custo em 2023 seria de R$ 12,6 bilhões. Com isso, será necessário aumentar a reserva de R$ 11,7 bilhões prevista no Projeto de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2023, enviado ao Congresso Nacional. Neste ano, a estimativa de impacto do aumento incluindo civis e militares é de R$ 6,3 bilhões para o segundo semestre.

"Precisaria fortalecer um pouco a reserva, colocar mais R$ 900 milhões para chegar ao valor equivalente no próximo ano. Tudo o que se der neste ano, tem que ter em dobro ano que vem", afirmou o secretário.

LEIA TAMBÉM: 

Colnago ressaltou que o reajuste de 5% está na mesa, assim como outras propostas. "Falta decisão, não há nenhuma decisão clara comunicada sobre o 5%", afirmou.

Na semana passada, fontes que participaram de uma reunião entre ministros e o presidente Jair Bolsonaro disseram que o martelo já teria sido batido pelo reajuste linear nessa ordem.

O Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) antecipou no fim de março que esse aumento estava em estudo.

Em meio a reclamações de categorias de servidores públicos de que um reajuste de 5% nos salários não é suficiente, Esteves Colnago disse que isso já demandaria um "esforço fiscal considerável". "Nós não estamos em superávit primário, País ainda tem fragilidade fiscal", afirmou. Ele ressaltou que o aumento de 5% ainda não foi decidido.

Depois de o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), dizer que os R$ 16,5 bilhões reservados nas contas públicas para as emendas de relator em 2023 são insuficientes para atender às demandas de investimentos do Brasil, o secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia afirmou que o desejo dos parlamentares é sempre "querer mais". As declarações de Lira foram dadas em entrevista ao jornal O Globo.

"Obviamente, o desejo das pessoas é sempre alocar mais e atender suas bases. Todos querem mais, é natural você querer atender", afirmou Colnago.