Economia

Protecionismo americano prejudica o crescimento mundial, dizem BRICS

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul se colocaram contra o impacto sistemático de medidas unilaterais "incompatíveis com regras da OMC"

BRICS: taxação americana ao aço importado gerou protestos também em encontro do G7, no fim de semana (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

BRICS: taxação americana ao aço importado gerou protestos também em encontro do G7, no fim de semana (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A

AFP

Publicado em 4 de junho de 2018 às 17h00.

O grupo dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul) denunciou nesta segunda-feira o "protecionismo" dos Estados Unidos, que "prejudica o crescimento mundial", após a decisão de Washington de aumentar as tarifas sobre produtos importados, principalmente dos seus países aliados.

Em um comunicado, os ministros das Relações Exteriores dos BRICS, reunidos em Pretória, "ressaltaram sua firme adesão à livre troca".

Eles se declararam "contrários a uma nova onda de protecionismo e ao impacto sistemático de medidas unilaterais que são incompatíveis com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e prejudicam o comércio internacional e o crescimento econômico".

Os BRICS insistiram "na importância de uma economia global aberta e inclusiva, que permita a todos os países e a todos os povos compartilhar os benefícios da globalização".

Washington decidiu na sexta-feira impor tarifas adicionais de 25% sobre as importações de aço e 10% sobre as importações de alumínio da União Europeia (UE), Canadá e México.

No fim de semana, por ocasião do G7 das finanças, os aliados de Washington protestaram unanimemente contra a agressiva política comercial dos Estados Unidos.

Acompanhe tudo sobre:acoBricsComércio exteriorEstados Unidos (EUA)

Mais de Economia

Governo Milei anuncia venda de dólares no câmbio paralelo argentino

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Mais na Exame