Produção de motocicletas tem queda de 9,5% no 1º semestre

As vendas no atacado (para concessionárias) chegaram a 659.063 unidades, 8% a menos que no ano passado (716.730), consideradas as menores dos últimos nove anos

A produção de motocicletas no primeiro semestre do ano caiu 9,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com dados divulgados hoje (8) pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), de janeiro a junho deste ano foram fabricadas 699.461 unidades. De janeiro a junho de 2014, foram 772.943 unidades. 

Este é o menor patamar em produção nos últimos dez anos. As vendas no atacado (para concessionárias) chegaram a 659.063 unidades, 8% a menos que no ano passado (716.730), consideradas as menores dos últimos nove anos.

Os licenciamentos alcançaram 641.700 motos no primeiro semestre de 2015, recuo de 10,6% ante as 717.618 vendidas no mesmo período de 2014.

As exportações caíram 59,8%, com a comercialização de 18.241 unidades para o mercado externo. No primeiro semestre do ano ano passado, foram exportadas 45.419 motocicletas.

Na comparação de junho com maio, a produção atingiu 116.933 motocicletas, representando queda de 2% e alta de 50,3% ante o mesmo mês do ano passado, período impactado pelas férias coletivas por causa da Copa do Mundo.

As vendas para concessionárias chegaram a 101.025 unidades em junho, 8,2% a menos que o comercializado em maio (110.026) e 25,9% a mais que junho do ano passado.

Em junho, os emplacamentos aumentaram 4% na comparação com maio, com 101.102 motocicletas emplacadas. Em relação a junho do ano passado, ocorreu queda de 2,7%.

No período, as exportações totalizaram 5.476 motocicletas, quase o dobro das 3.653 de maio (alta de 49,9%). Na comparação com junho do ano passado, registrou-se expansão de 13,1%

Segundo o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, os empregos em maio (número disponíveis) chegaram a 16.622, abaixo dos quase 18 mil empregos oferecidos no fim de 2014.

“Em 2014, cada trabalhador produziu 85 motos. Esse número já chegou a pouco mais de 100. Isso demonstra que as indústrias em Manaus tentam cumprir o papel social de manter a empregabilidade do segmento.

É um esforço muito difícil para o setor sustentar, a menos que o mercado tenha reação mais efetiva”, alertou Fermanian.

Ele ressaltou que as previsões para 2015 são de queda de 6,8% na produção, de 4,9% nas vendas no atacado e de 4,5% no varejo.

As exportações devem recuar 20,5%. Segundo ele, por enquanto a Abraciclo não reverá os números, porque há dois meses ocorreu uma redução nas projeções. Acrescentou que a esperança é que o segundo semestre seja melhor.

“A decisão de corte de produção é significativa, porque envolve toda uma cadeia produtiva. É difícil tomar esse tipo de decisão sob a ótica de um período curto. A indústria deverá se posicionar de acordo com os números dos meses seguintes.

A meta anterior à revisão de dois meses era alcançar os mesmos números de 2014. Foi dolorido ter de cortar a produção e ajustar o mercado.”

Para Fermaniam, o Programa de Proteção ao Emprego (PPE) anunciado pela presidenta Dilam Rousseff segunda-feira (6) é uma medida positiva, porque pode ajudar o setor industrial.

“Esperamos que isso se estenda para as motocicletas. A iniciativa só será efetiva para o segmento se a leitura do setor em relação à queda de demanda mostrar que ela é passageira. Se a crise for duradoura, ao adotá-la estaremos protelando uma situação ainda mais crítica no futuro”, esclareceu.

O presidente da Abraciclo explicou que a decisão de adotar o PPE será de cada fabricante, que deverá refletir sobre as vantagens para sua marca.

Ele destacou que as medidas atuais adotadas para conter a produção excedente estão na mesma linha de anos anteriores. “Temos as férias coletivas normais para este período do ano. Nenhuma medida diferente foi efetivada ainda.

A redução do quadro funcional desde o fim do ano passado ocorreu pela própria rotatividade dos funcionários.”

Marcos Fermanian afirmou que o estoque de motocicletas nesse período de férias coletivas é suficiente para suprir a demanda de mercado e ajustar a diferença entre produção e vendas.

“Com as férias coletivas, teremos desabastecimento das concessionarias, mas isso será apenas um ajuste e será retomado com a volta do fornecimento normal. O mercado tem de reagir para suportar a volta à normalidade”, concluiu. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.