Prévia da inflação confirma expectativas, mas meta do fim do ano não está garantida

Apesar dos resultados dentro do esperado pelo mercado, as turbulências em Brasília trazem à mesa desconfianças que podem levar o IPCA acima do centro da meta

Divulgado nesta quarta-feira (24) pelo IBGE, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, subiu 0,48 por cento em fevereiro, pressionado principalmente pela alta no preço dos combustíveis e do transporte. Apesar de ser o maior resultado para o mês de fevereiro desde 2017, o índice fechou dentro das expectativas do mercado, que mantém suas projeções para o resultado final de 2021.

"Nosso call segue o mesmo, com projeção de 3,9% para o IPCA no final do ano", explica Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, que já contempla no cálculo a concessão de auxílio emergencial R$250 reais, por quatro meses, para 10 milhões de pessoas acima do Bolsa Família. "Também vimos que os núcleos de inflação continuaram numa trajetória ascendente, mas não tão forte quanto poderia ser. Isso significa que o IPCA deve seguir avançando, mas não de maneira tão célere quanto imaginávamos."

Depois dos combustíveis, o segundo maior impacto no IPCA-15 de fevereiro foi registrada no grupo de Educação (2,39%). Para o economista André Braz, da Fundação Getúlio Vargas, essa alta é a informação de maior destaque dessa apuração do índice, porque indica a variação do setor para o ano.

"As escolas deram muitos descontos durante a pandemia e, ainda pelo mesmo motivo, começam este ano sem um modelo operacional definido, o que pressiona os preços", explica Braz, destacando que alguns reajustes de combustíveis que aconteceram antes mesmo da troca de comando na Petrobrás ainda não foram captados pelo IPCA-15. Essas altas devem levar o IPCA ligeiramente acima do 0,5% no início de março. 

Apesar dos resultados dentro do esperado pelo mercado, Braz pontua que as turbulências em Brasília, como a própria demissão de Castello Branco e o risco de ter um novo modelo de reajuste dos combustíveis (fora do padrão internacional) podem trazer à mesa desconfianças, impactando o cumprimento da meta no final do ano.

"Esses movimentos trazem ao mercado incertezas que levam a uma desvalorização do real frente ao dólar, o que deixa muitos produtos bem mais caros para o brasileiro", explica o economista da FGV. "Isso pode fazer com que, no final do ano, a gente não cumpra a meta e tenha uma inflação mais alta, na casa dos 4,5%."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.