Economia

Presidente do Líbano telefona para Lula e elogia o acordo com o Irã

Brasília - O presidente do Líbano, Michel Sleimane, parabenizou hoje (21), durante conversa por telefone, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ter fechado o acordo com o Irã, que determina a troca de urânio e seu depósito na Turquia. Apontado como defensor do diálogo com os iranianos e contrário a eventuais sanções econômicas, […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 21 de maio de 2010 às 22h09.

Brasília - O presidente do Líbano, Michel Sleimane, parabenizou hoje (21), durante conversa por telefone, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ter fechado o acordo com o Irã, que determina a troca de urânio e seu depósito na Turquia. Apontado como defensor do diálogo com os iranianos e contrário a eventuais sanções econômicas, o Líbano ocupa a presidência rotativa do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU).

A conversa durou cerca de oito minutos. Os dois presidentes trocaram opiniões sobre o assunto, segundo a Presidência da República. A assessoria do Palácio do Planalto não divulgou, no entanto, detalhes sobre o telefonema. A expectativa, segundo diplomatas que acompanham o assunto, é que o Líbano assuma uma posição em favor da ampliação das negociações para tentar evitar punições ao Irã.

Líbano, Brasil e Turquia, de acordo com a diplomacia francesa, estariam isolados na defesa do Irã no Conselho de Segurança das Nações Unidas. A composição do órgão atualmente é a seguinte: os cinco são membros permanentes - Estados Unidos, Inglaterra, França, Rússia e China - e dez são rotativos - Áustria, Bósnia Herzegovina, Brasil, Gabão, Japão, Líbano, México, Nigéria Turquia e Uganda.

Os países que ocupam assento permanente têm direito a voto e veto. Porém, os demais têm direto apenas a voto. Para aprovar sanções a um país é necessário que todos os membros do Conselho de Segurança votem a favor das medidas.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pressiona a comunidade internacional para apoiar a aprovação das sanções econômicas contra o Irã. Para os norte-americanos, o programa nuclear iraniano esconderia a produção de armas atômicas. O assunto foi tema de um esboço de resolução, discutido anteontem (19), em sessão do Conselho de Segurança da ONU.

No entanto, antes de o Brasil e a Turquia fecharem o acordo com o Irã, na última segunda-feira (17), Obama enviou uma carta a Lula. A carta enviada por Obama que teria motivado vários itens do documento. As assessorias da Presidência da República e do Itamaraty confirmaram a existência da correspondência.. No documento, o presidente norte-americano teria afirmado um eventual acerto de troca de urânio estabeleceria a confiança na comunidade internacional.

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou hoje que a base de sustentação do acordo foi toda firmada em um documento anterior que havia sido formulado pelos países do Grupo de Viena – Estados Unidos, Rússia, França e pela Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea).

Acompanhe tudo sobre:América LatinaÁsiaBolíviaIrã - PaísLuiz Inácio Lula da SilvaOriente MédioPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame