Economia

Prêmio Nobel Joseph Stiglitz prevê possível fim do euro

Stigliz disse que planos de ajuda à Grécia não vão enfraquecer apostas no fim da moeda

Joseph Stiglitz, ganhador do Prêmio Nobel de Economia: 'pode ser que seja o fim do euro'

Joseph Stiglitz, ganhador do Prêmio Nobel de Economia: 'pode ser que seja o fim do euro'

DR

Da Redação

Publicado em 19 de junho de 2012 às 13h19.

Londres - O prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, previu nesta terça-feira o possível fim do euro se a Europa não conseguir solucionar seus problemas institucionais fundamentais depois da crise grega.

Em uma entrevista à rádio BBC 4, Stiglitz analisou que o plano de ajuda da União Europeia e do FMI, combinado com um plano de austeridade que criticou com veemência, não frearão o ardor dos especuladores em apostar em um enfraquecimento da zona euro. "As condições aparentemente excesivamente duras impostas à Espanha (afirmou ele, em um lapso) serão, na realidade, contraproducentes para prevenir um contágio", segundo ele.

Os analistas apontam a Espanha como o próximo país da zona euro que pode enfrentar as mesmas dificuldades que da Grécia.

"Quando tivermos visto até que ponto fica difícil para a Europa adotar uma postura comum para ajudar um de seus pequenos países, nos daremos conta de que se um país um pouco maior tiver dificuldades, é provável que a Europa tenha ainda mais dificuldades para chegar a um acordo".

"A longo prazo, enquanto os problemas institucionais fundamentais continuarem, os especuladores saberão que eles existem", acrescentou.

Indagado se isso significa o fim do euro, Stiglitz respondeu: "Pode ser que seja o fim do euro". "Se a Europa não solucionar seus problemas institucionais fundamentais, o futuro do euro pode ser muito breve", concluiu.

Acompanhe tudo sobre:CâmbioCrise gregaCrises em empresasEconomistasEuroEuropaGréciaJoseph StiglitzMoedasPiigs

Mais de Economia

Lula diz que a fome 'existe por decisão política' e quer tirar o Brasil do Mapa da fome até 2026

Taxação global de 2% sobre super-ricos arrecadaria de US$ 200 a US$ 250 bi por ano, diz Haddad

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Mais na Exame