A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Preços ao consumidor nos EUA sobem com força em setembro

O chamado núcleo da inflação subiu 4,0% em comparação com o ano anterior, após alta de 4,0% em agosto

Os preços ao consumidor nos Estados Unidos aumentaram com força em setembro e devem subir ainda mais nos próximos meses em meio a uma alta nos custos dos produtos de energia, o que lançaria dúvidas sobre a visão do Federal Reserve de que o aumento da inflação é transitório.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,4% no mês passado, após alta de 0,3% em agosto, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira. Nos 12 meses até setembro, o índice aumentou 5,4%, após avançar 5,3% em agosto ante o ano anterior.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice teve alta de 0,2%, após avanço de 0,1% em agosto, o menor ganho em seis meses. O chamado núcleo da inflação subiu 4,0% em comparação com o ano anterior, após alta de 4,0% em agosto.

Economistas consultados pela Reuters projetavam alta de 0,3% do índice geral e 0,2% do núcleo.

Os preços do petróleo saltaram na segunda-feira para máximas em anos, em meio a uma recuperação na demanda mundial pós-pandemia. Embora os futuros do petróleo Brent tenham caído na quarta-feira, os preços permaneceram acima de 80 dólares o barril. Os preços do gás natural também subiram.

Produtos de energia caros somaram-se ao aumento salarial para exercer pressão de alta sobre a inflação. O governo informou na semana passada que os ganhos médios por hora subiram ao maior patamar em sete meses no mês de setembro em comparação com o ano anterior, devido à escassez de trabalhadores.

Com o número de pessoas que abandonaram voluntariamente seus empregos tocando um recorde em agosto e pelo menos 10,4 milhões de vagas não preenchidas, a inflação salarial deve aumentar ainda mais.

O chair do Fed, Jerome Powell, disse repetidamente que a alta da inflação, pela qual ele culpava os gargalos na cadeia de abastecimento, era transitória. Quase dois anos após o início da pandemia, não há sinais de que os gargalos estão diminuindo.

Isso tem levado à escassez de bens, como veículos, e preços mais altos aos consumidores.

A medida de inflação preferida do Fed para sua meta flexível de 2%, o núcleo do PCE, avançou 3,6% nos 12 meses encerrados em agosto, subindo na mesma margem pelo terceiro mês seguido. Os dados de setembro serão divulgados neste mês.

No mês passado, o Fed elevou sua projeção do núcleo do PCE deste ano para 3,7%, ante 3,0% em junho.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também