Preço médio do etanol sobe na semana em 13 Estados e no DF, diz ANP

Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol subiu 0,66% na semana ante a anterior, de R$ 3,051 para R$ 3,071 o litro

Os preços médios do etanol hidratado subiram em 13 Estados e no Distrito Federal na semana encerrada no sábado, 14, ante o período anterior, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. A cotação do biocombustível caiu em outros 11 Estados, enquanto no Amapá e em Roraima o houve apuração.

Que tal investir com especialistas que selecionam a nata da nata dos fundos para o seu perfil? Conheça a EXAME Research

Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol subiu 0,66% na semana ante a anterior, de R$ 3,051 para R$ 3,071 o litro.

Em São Paulo, principal Estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média do hidratado ficou em R$ 2,930 alta de 0,58% ante a semana anterior (R$ 2,913).

Na Bahia, o biocombustível registrou a maior alta porcentual na semana, de 6,36% de R$ 3,115 para R$ 3,313. A maior queda semanal, de 3,47%, foi verificada em Santa Catarina (de R$ 3,470 para R$ 3,780).

O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 2,559 o litro, em São Paulo, e o menor preço médio estadual, de R$ 2,930, também foi registrado em São Paulo.

O preço máximo individual, de R$ 4,799 o litro, foi verificado em um posto do Rio Grande do Sul. Os gaúchos também tiveram o maior preço médio, de R$ 4,052.

A ANP retomou a divulgação do levantamento de preços de combustíveis automotivos em sua página na internet no dia 23 de outubro. Ainda não há, portanto, dados suficientes para comparação mensal dos preços do etanol hidratado nos postos pesquisados no País.

Etanol continua competitivo com gasolina apenas em 4 Estados brasileiros

Os preços médios do etanol na semana encerrada no sábado, 14, mostraram-se vantajosos em comparação com os da gasolina em quatro Estados brasileiros - São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás - todos grandes produtores do biocombustível. O levantamento é da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), compilado pelo AE-Taxas, e considera que o etanol de cana ou de milho, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

Em Mato Grosso, o hidratado é vendido, em média, por 68,66% do preço da gasolina, em Goiás a 67,17%, em Minas Gerais a 68,66% e em São Paulo, a paridade ficou em 69,98%.

Na média dos postos pesquisados no País, a paridade é de 70,31% entre os preços médios de etanol e gasolina, desfavorável ao biocombustível.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.