Economia

Preço da gasolina fecha outubro em baixa, mostra IPTL

Etanol fechou o mês com o preço médio nacional estável na mesma base de comparação, a R$ 3,76

Gasolina: baixa do preço pode surpreender os consumidores (Peter Dazeley/Getty Images)

Gasolina: baixa do preço pode surpreender os consumidores (Peter Dazeley/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 30 de outubro de 2023 às 14h04.

Última atualização em 30 de outubro de 2023 às 14h13.

O preço médio do litro da gasolina no final de outubro teve redução de 0,50% ante a primeira quinzena do mês, segundo do Índice de Preços Edenred Ticket Log (IPTL), levantamento que consolida o comportamento de preços das transações nos postos de combustível. Já o etanol fechou o mês com o preço médio nacional estável na mesma base de comparação, a R$ 3,76.

De acordo com o diretor-geral de Mobilidade da Edenred Brasil, Douglas Pina, quando comparado com o mês de setembro, o preço médio da gasolina recuou 1%. "Essa redução ainda é reflexo do último reajuste no preço do combustível anunciado no dia 19 de outubro", explica.

No recorte regional, todas as regiões registraram baixas de 0 17% a 0,65% no preço do litro da gasolina, em relação à primeira quinzena do mês. O litro mais barato foi encontrado nos postos de abastecimento do Sudeste a R$ 5,79, e o mais caro, nas bombas do Norte, a R$ 6,47.

Entre os estados, São Paulo e Rio Grande do Sul comercializaram o combustível a R$ 5,73 e lideraram o ranking do preço médio mais baixo do país. Ainda assim, a redução mais expressiva, de 1,07%, ante a primeira quinzena, foi identificada no Amazonas, onde a média fechou o mês a R$ 6,45. O Amapá tem a maior média do país para a gasolina, de R$ 6,70 e o único aumento no preço de todo o território nacional, de 0,15%.

Etanol

Apesar da estabilidade ante a primeira quinzena, o preço médio do etanol recuou 0,5% em outubro quando comparado com setembro, aponta o levantamento.

Entre as cinco regiões brasileiras, o Norte e o Sudeste registraram estabilidade nos preços, ante a primeira quinzena. Já o Centro-Oeste, Nordeste e Sul apresentaram reduções de 0,82%, 0,67% e 0,49%, respectivamente. A média mais baixa para o etanol foi identificada nas bombas do Centro-Oeste, a R$ 3,65 e a mais alta no Norte, a R$ 4,70.

Com média de R$ 3,67, Goiás apresentou a redução mais expressiva no preço do etanol, de 1,34% ante a primeira quinzena de outubro. Porém, a média mais baixa do país foi comercializada no Mato Grosso a R$ 3,54. Aumentos no valor do combustível foram identificados apenas no Rio de Janeiro, de 0,24% e no Alagoas e Pará, de 0,21%, onde as médias fecharam a R$ 4,11, R$ 4,67 e R$ 4,77, respectivamente. Já a média mais alta do país foi encontrada em Roraima, a R$ 5,02.

"Neste fechamento de mês, abastecer com etanol ficou mais vantajoso em 16 estados e no Distrito Federal. Já a gasolina foi considerada mais viável em dez estados. O etanol também é considerado ecologicamente mais interessante, por contribuir com a redução das emissões de gases responsáveis pelas mudanças climáticas", destaca Pina.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantado com base nos abastecimentos realizados nos 21 mil postos credenciados da Edenred Ticket Log.

Acompanhe tudo sobre:GasolinaEtanol

Mais de Economia

Governo Milei anuncia venda de dólares no câmbio paralelo argentino

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Mais na Exame