Por pandemia, ONU pede alívio da dívida dos países pobres

O mecanismo do G20 para a suspensão da dívida, que expira no fim de junho, deve ser prorrogado até 2022, incluindo também os países de renda média

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu nesta segunda-feira, 29, à comunidade internacional, que implemente "um novo mecanismo" para aliviar a dívida dos países mais pobres, enfraquecidos pela pandemia. Guterres lançou "um apelo por ações urgentes", no contexto da "pior recessão desde a Grande Depressão", em uma conferência sobre financiamento para o desenvolvimento organizada na sede das Nações Unidas, em Nova York.

Os países do G20 — grupo que inclui nações ricas e em desenvolvimento — gastaram cerca de 16 trilhões de dólares para impulsionar suas economias, mas muitas nações com menos recursos não podem fazer o mesmo, lamentou Guterres. “Alívios adicionais e oportunos da dívida para países vulneráveis, incluindo países de renda média, serão definitivamente necessários”, assinalou.

O mecanismo do G20 para a suspensão da dívida, que expira no fim de junho, deve ser prorrogado até 2022 e ser proposto aos países de renda média que dele necessitem, solicitou o chefe da ONU.

"Estamos à beira de uma crise da dívida", alertou o secretário-geral da ONU, observando que "um terço das economias emergentes está exposta a um alto risco de crise orçamentária" e há seis países inadimplentes, incluindo Zâmbia e Líbano pela primeira vez em sua história.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.