Por coronavírus, JPMorgan reduz projeção de alta do PIB do Brasil em 2020

A estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2020 baixou de 2% para 1,9%

São Paulo - O JPMorgan cortou a projeção de crescimento para o Brasil este ano, com a piora das perspectivas para a economia da China por conta da rápida disseminação da epidemia do coronavírus.

A estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2020 baixou de 2% para 1,9%. Já em 2021, o banco americano elevou a estimativa de 2,2% para 2,4%.

A recuperação mais lenta da atividade e a queda dos preços internacionais das commodities provocadas pela economia chinesa mais fraca devem reduzir a pressão na inflação.

Por isso, o banco também cortou as estimativas do IPCA de 2020, de 3,7% para 3,4%, influenciado principalmente por preços mais comportados esperados para alimentos e gasolina.

O JP observa que quase 30% das exportações brasileiras vão para a China, por isso o impacto negativo da perda de fôlego da atividade econômica do país asiático.

Ontem, o banco anunciou corte de sua projeção de crescimento do PIB chinês no primeiro trimestre, de 4,9% para 1,0%, por causa do surto de coronavírus enfrentado pelo país. A estimativa para todo o ano de 2020 caiu de 5,8% para 5,4%.

Por conta do fluxo importante de comércio entre os dois países, o JP estima que para cada um ponto porcentual de declínio no crescimento da China, a expansão do PIB do Brasil se reduz em 0,2 a 0,3 ponto porcentual, normalmente com um trimestre de atraso entre os eventos na China e o impacto aqui.

Mas no caso do coronavírus, por conta dos efeitos repentinos no país asiático, o impacto na economia brasileira será sentido já neste trimestre.

O impacto negativo do coronavírus deve ser concentrado na primeira metade do ano. Por isso, o JP cortou a estimativa de alta do PIB brasileiro do primeiro semestre em 0,6%.

A expectativa é que na segunda metade do ano a atividade ganhe fôlego. Por isso, o banco elevou a estimativa de PIB do segundo semestre em 0,5%.

Mas essa melhora não será suficiente para evitar uma redução da estimativa de crescimento de todo o ano de 2020, observa o banco em relatório.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.