Economia

Plano Real, 30 anos: Roberto Sallouti e novo desenvolvimento econômico com foco em produtividade

CEO do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME) afirmou que novo ciclo de prosperidade e aumento da renda depende de mais produtividade

Roberto Sallouti

Foto: Leandro Fonseca
data: 28/03/2024 (Leandro Fonseca/Exame)

Roberto Sallouti Foto: Leandro Fonseca data: 28/03/2024 (Leandro Fonseca/Exame)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 1 de julho de 2024 às 08h03.

Última atualização em 1 de julho de 2024 às 08h11.

Tudo sobrePlano Real 30 anos
Saiba mais
yt thumbnail

O economista Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME), ingressou no antigo banco Pactual em 1º de julho de 1994, no mesmo dia em que o Real começou a circular no país. Segundo ele, nos últimos 30 anos, o Brasil, a sociedade, o sistema bancário e o mercado de capitais evoluíram significativamente .

“Quando eu comecei a trabalhar, a gente tinha déficit em conta corrente, um problema inflacionário, dívida dolarizada, uma preocupação fiscal e baixa produtividade. Esses três primeiros pontos foram resolvidos. Temos, hoje em dia, parâmetros para ser grau de investimento", disse Sallouti em entrevista exclusiva à EXAME para a série especial de 30 anos do Plano Real.

Entretanto, restam desafios para melhorar a vida dos brasileiros.

Segundo ele, os governantes, os empresários e a sociedade devem focar o trabalho, após a estabilidade fiscal, em aumentar os níveis de produtividade para que o país eleve a renda da população.

"Só falta a gente ter credibilidade na nossa política fiscal corrente e demonstrar para o mercado uma trajetória cadente da relação entre dívida e o PIB”, afirmou. “Isso, obviamente, exige uma vontade política, um sacrifício político, mas é atingível. Feito isso, podemos focar, como país, em uma agenda de produtividade focada em educação, segurança jurídica, segurança pública, menos burocracia e simplificação tributária. Esses são os últimos passos para virarmos um país de classe média. Produzir mais com a mesma população ativa. Isso se traduzirá em renda média maior.”

"Meu primeiro dia de trabalho no Pactual foi em 1º de julho de 1994, no lançamento do Plano Real. Eu brinco que eu tive uma grande felicidade porque foi a inauguração do mercado de capitais moderno no Brasil, que coincidiu com meu primeiro dia de trabalho" — Roberto Sallouti

Legado do Plano Real

Entre os legados deixados pelo Plano Real, Sallouti afirmou que ter uma moeda estável ao longo de 30 anos é o principal deles. Segundo ele, os brasileiros pensam e economizam em reais, o que não ocorre em países vizinhos, como a Argentina.

“Todos nós, brasileiros, pensamos a nossa poupança em reais. A gente não pensa em outra moeda. Você fala com um argentino e ele pensa em dólares. Isso é uma conquista. O país ter a sua unidade de valor, a sua moeda, é uma conquista que a gente não pode abandonar como sociedade. Isso é o que torna um país estável. Temos, praticamente, toda a nossa dívida financiada internamente na nossa moeda. Isso é um privilégio para poucos e grandes países. Isso é uma conquista que muda o Brasil de liga”, disse.

Plano Real, 30 anos — série documental

Sallouti foi entrevistado para a série documental "Plano Real, 30 anos", um projeto audiovisual da EXAME que ouviu alguns dos principais economistas, executivos e banqueiros do Brasil.

Entre os entrevistados estão:

  • Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e fundador e chairman da Gávea Investimentos
  • Carlos Vieira, presidente da Caixa
  • Carolina Barros, diretora de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta do Banco Central
  • Edmar Bacha, economista e sócio-fundador e diretor da Casa das Garças
  • Elena Landau, ex-diretora do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ex-presidente do Conselho de Administração da Eletrobras
  • Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e sócio-fundador da Rio Bravo
  • Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central e sócio da Tendências Consultoria
  • Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central e conselheiro do Banco Master
  • Jorge Gerdau, empresário e presidente do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo (MBC)
  • Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Conselho de Administração do Bradesco
  • Marcelo Noronha, CEO do Bradesco
  • Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda
  • Pedro Parente, ex-ministro da Casa Civil e sócio da eB Capital
  • Persio Arida, ex-presidente do Banco Central e do BNDES
  • Orly Machado, fundador e presidente da C&M Software
  • Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central
  • Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME)
yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:Plano Real 30 anosBTG Pactualprodutividade-no-trabalho

Mais de Economia

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Dívida dos estados: projeto apresentado por Pacheco precisa passar por revisão, diz Haddad

Mais na Exame