Economia

Plano Real, 30 anos: Roberto Campos Neto e a luta por uma âncora fiscal de longo prazo

Apesar dos diversos avanços econômicos e sociais conquistados com o Plano Real, Campos Neto afirmou que a ausência de uma âncora fiscal de longo prazo é o principal desafio para o Brasil crescer de forma sustentável

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC) (Germano Lüders/Exame)

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC) (Germano Lüders/Exame)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 3 de julho de 2024 às 10h35.

Última atualização em 3 de julho de 2024 às 10h37.

Tudo sobrePlano Real 30 anos
Saiba mais
yt thumbnail

O Plano Real e a adoção do regime de metas para a inflação foram grandes marcos que estabilizaram a economia brasileira e permitiram que muitas coisas boas pudessem acontecer no país. "O que era escassez se tornou abundância", diz o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, em entrevista exclusiva à EXAME sobre os 30 anos da reforma das reformas.

"O Plano Real e a adoção do regime de metas para a inflação foram grandes marcos que estabilizaram a economia e permitiram que muitas coisas boas pudessem acontecer no país" — Roberto Campos Neto

Apesar dos diversos avanços econômicos e sociais conquistados com o Plano Real, Campos Neto disse que a ausência de uma âncora fiscal de longo prazo é o principal desafio para que o Brasil alcance crescimento e desenvolvimento sustentável.

Segundo ele, essa batalha é comum em todos os governos e não é tarefa de um único governante.

"Aos longos dos últimos 20 anos, onde tivemos mais dificuldade, de fato, foi em produzir uma âncora fiscal que tivesse credibilidade por um período mais prolongado. Tivemos várias tentativas de plano fiscal. Em alguns momentos se fazia primário, mas elevando o gasto. Era um primário porque a receita estava aumentando muito. Aí quando a receita caiu se mostrou que o primário não era sustentável. Depois a gente fez micro tentativas com planos de curto prazo. Depois, o teto de gastos, e depois, o arcabouço fiscal", afirmou.

Credibilidade de longo prazo

Segundo o presidente do BC, a âncora fiscal é importante para garantir credibilidade de longo prazo, o que atrairá investimentos para o país e criará um ambiente estável para que empresários desenvolvam os negócios com geração de emprego e mais renda.

"Hoje estamos, de novo, em uma situação em que o mercado questiona a credibilidade da âncora fiscal. Estamos vendo isso no nosso dia a dia", disse. "Nessa parte fiscal não conseguimos atingir coletivamente, ao longo da história, uma forma de endereçar essa questão para que conquistássemos credibilidade de longo prazo."

Outro desdobramento institucional que merece ser comemorado e aprimorado, para Campos Neto, é a autonomia do BC.

Segundo ele, a autonomia é positiva porque o ciclo de política monetária tem duração e visibilidade diferentes do ciclo político.

"Meu avô, quando desenhou o Banco Central lá atrás, com autonomia, tinha uma proposta de autonomia muito maior. A gente tem autonomia operacional. A autonomia se divide em três partes. Operacional, administrativa e financeira", disse, em referência a Roberto Campos, economista e ex-deputado federal.

LEIA MAIS

Plano Real, 30 anos: Gustavo Franco e o combate à doença da hiperinflação Plano Real, 30 anos: Elena Landau e como a inflação pode derrubar um governo Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Plano Real, 30 anos — série documental

yt thumbnail

Campos Neto foi entrevistado para a série documental "Plano Real, 30 anos", um projeto audiovisual da EXAME que ouviu alguns dos principais economistas, executivos e banqueiros do Brasil.

Entre os entrevistados estão:

  • Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e fundador e chairman da Gávea Investimentos
  • Carlos Vieira, presidente da Caixa
  • Carolina Barros, diretora de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta do Banco Central
  • Edmar Bacha, economista e sócio-fundador e diretor da Casa das Garças
  • Elena Landau, ex-diretora do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ex-presidente do Conselho de Administração da Eletrobras
  • Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e sócio-fundador da Rio Bravo
  • Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central e sócio da Tendências Consultoria
  • Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central e conselheiro do Banco Master
  • Jorge Gerdau, empresário e presidente do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo (MBC)
  • Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Conselho de Administração do Bradesco
  • Marcelo Noronha, CEO do Bradesco
  • Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda
  • Pedro Parente, ex-ministro da Casa Civil e sócio da eB Capital
  • Persio Arida, ex-presidente do Banco Central e do BNDES
  • Orly Machado, fundador e presidente da C&M Software
  • Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central
  • Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME)
Acompanhe tudo sobre:Plano Real 30 anosBanco CentralRoberto Campos NetoNovo arcabouço fiscal

Mais de Economia

Governo Milei anuncia venda de dólares no câmbio paralelo argentino

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Mais na Exame