Economia

Plano Real, 30 anos: Como a inflação no Brasil passou de 1000%? Veja 1º episódio da série da EXAME

Moeda que extinguiu a hiperinflação e deu as bases para o crescimento brasileiro completou 30 anos em 1º de julho. EXAME comemora a data com série documental com os principais economistas, empresários e executivos do país

 (Exame/Exame)

(Exame/Exame)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 8 de julho de 2024 às 08h00.

Última atualização em 14 de julho de 2024 às 15h00.

Tudo sobrePlano Real 30 anos
Saiba mais
yt thumbnail

O Plano Real debelou a hiperinflação brasileira. Mas como os preços no Brasil chegaram a aumentar mais de 1000% anualmente nos anos 1980 e no início dos anos 1990? Como a moeda nacional passou a "queimar" no bolso dos cidadãos -- que precisavam gastá-lo imediatamente, pois no dia seguinte ele teria perdido valor?

No primeiro episódio da série Plano Real, 30 anos (veja o teaser), a EXAME se debruça sobre as condições estruturais que permitiram que a economia nacional desmontasse, como se estivesse "infectada", nas palavras do ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco.

Com o título "A crise sem fim", o primeiro episódio contará como o Brasil chegou a hiperinflação. Leia abaixo a sinopse:

"A hiperinflação marca uma fase muito dura da história do Brasil, quando chegamos a bater o recorde mundial de perda de valor das nossas moedas entre as décadas de 1960 e 1990. Uma sucessão de erros, iniciados ainda na ditadura militar, perpetuou a inércia inflacionária, que só foi superada com o Plano Real, em 1994. No primeiro episódio da série “Plano Real – 30 Anos”, uma realização EXAME, contamos como era viver nesse período, o impacto na vida das pessoas e empresas, as origens dessa hiperinflação, a quebra do país, as mudanças com a chegada da democracia, os planos econômicos fracassados, até a virada política que abriu espaço para os primeiros passos do Real"

O resultado da instabilidade econômica era um cenário de ineficiência total na vida de empresas e cidadãos. Em suma, era impossível fazer planejamentos de longo prazo. Como sempre, a população mais pobre, que não tinha acesso ao sistema bancário para proteger seu patrimônio, era a mais afetada.

Esse é o tema do primeiro episódio da série Plano Real, 30 anos. A série contará novos bastidores e os desafios pela visão de quem participou da elaboração da política monetária, além de empresários e executivos que viveram na pele as consequências de não ter uma moeda forte.

"Serão cinco episódios semanais, de 8 de julho a 5 agosto, com os bastidores do Plano Real"

A série será publicada no canal do YouTube da revista (veja o vídeo acima).

Plano Real, 30 anos

A reforma que mudou para sempre o Brasil começou com uma nomeação ministerial que nem o indicado queria. Fernando Henrique Cardoso (FHC), então senador e ministro das Relações Exteriores, foi nomeado ministro da Fazenda em maio de 1993, enquanto participava de uma viagem internacional aos Estados Unidos. Era a quarta pessoa escolhida para o posto em apenas oito meses do governo Itamar Franco, que assumiu a Presidência da República após a renúncia de Fernando Collor de Mello, envolto em um controverso processo de impeachment. Para piorar, o Congresso Nacional vivia a crise conhecida como “Os Anões do Orçamento”.

Essa história foi contada em detalhes pela EXAME nas últimas décadas e voltou à tona em 19 de junho, com uma série de entrevistas exclusivas com os principais nomes da economia, entre banqueiros, empresários e economistas que formularam e executaram o Plano Real.

Nas últimas décadas, a EXAME escreveu capas, reportagens, análises e artigos de opinião sobre o que o Real representou para a história do país. Neste ano, daremos sequência a essa tradição, mas de olho nos tempos atuais: a partir do 1º julho, data oficial dos 30 anos da nova moeda, a EXAME lançará uma série documental com cinco episódios.

Nela, trataremos do antes, do durante e do depois — o futuro — do Plano Real.

Para a obra, entrevistamos 17 dos maiores economistas, empresários e executivos do setor financeiro do Brasil.

Por entender que esse conhecimento precisa ser público — e esmiuçado às últimas consequências —, publicamos desde a terça-feira, 18, as entrevistas feitas para a série documental na íntegra em nosso canal do YouTube e em nosso site.

Veja todas as entrevistas já publicadas:

Serão duas entrevistas por semana com alguns dos economistas que elaboraram e executaram o Plano Real, empresários, banqueiros e atuais diretores e o presidente do Banco Central.

A lista de entrevistados inclui:

  • Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e fundador e chairman da Gávea Investimentos
  • Carlos Vieira, presidente da Caixa
  • Carolina Barros, diretora de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta do Banco Central
  • Edmar Bacha, economista e sócio-fundador e diretor da Casa das Garças
  • Elena Landau, ex-diretora do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ex-presidente do Conselho de Administração da Eletrobras
  • Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e sócio-fundador da Rio Bravo
  • Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central e sócio da Tendências Consultoria
  • Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central e conselheiro do Banco Master
  • Jorge Gerdau, empresário e presidente do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo (MBC)
  • Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Conselho de Administração do Bradesco
  • Marcelo Noronha, CEO do Bradesco
  • Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda
  • Pedro Parente, ex-ministro da Casa Civil e sócio da eB Capital
  • Persio Arida, ex-presidente do Banco Central e do BNDES
  • Orli Machado, fundador e presidente da C&M Software
  • Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central
  • Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME)
Acompanhe tudo sobre:Plano Real 30 anos

Mais de Economia

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Boletim Focus: mercado reduz projeção do IPCA para 2024 pela 1ª semana após nove altas consecutivas

Mais na Exame