• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Plano Nacional de Logística projeta até R$ 789 bi de investimentos

Segundo o governo, o plano é baseado em um diagnóstico técnico sobre a matriz de transportes brasileira e suas principais demandas
 (Getty Images/Stephen Simpson)
(Getty Images/Stephen Simpson)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 03/12/2021 14:55 | Última atualização em 03/12/2021 15:38Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A expansão e o desenvolvimento da infraestrutura de transportes no Brasil até 2035 pode necessitar de até 789 bilhões de reais em investimento. Esse montante é considerado para um cenário de máxima oferta no país. A simulação faz parte do Plano Nacional de Logística 2035, apresentado nesta sexta-feira, 3, pelo Ministério da Infraestrutura.

Segundo a pasta, o plano é baseado em um diagnóstico técnico sobre a matriz de transportes brasileira e suas principais demandas. Nele, o ministério formulou nove cenários para o setor e, com isso, espera indicar necessidades e oportunidades, presentes e futuras, para a infraestrutura de transportes.

As simulações consideram cenários referenciais e transformadores onde o desenvolvimento econômico é mais agressivo e mais carga é transportada.

Entre os empreendimentos incluídos na simulação estão, por exemplo, intervenções previstas em todos os contratos de concessões e parcerias vigentes; obras públicas em andamento e previstas; novas ferrovias, como a Ferrogrão, Fiol, Fico, novos ramos da ferrovia Norte-Sul e extensões das malhas atualmente em operação, entre outros ativos envolvendo o transporte aéreo e aquaviário.

O cenário que envolve o "teto" de investimentos simulados, de 789 bilhões de reais, é o de número 6. Nele, o ministério contabilizou empreendimentos já qualificados na carteira, os previstos no Plano Plurianual, os estudados pelo governo, além de parcerias e investimentos estaduais, o Plano Hidroviário Estratégico, o Plano Nacional de Logística Portuária e as contribuições de quando o PNL ficou em consulta pública. Ou seja, nessa simulação os empreendimentos desejados pela sociedade e pelos estados que não estavam na proposta original da pasta foram absorvidos nas projeções.

"Nesse sentido, o referido cenário é o mais rico no quesito de oferta de infraestrutura de transportes, o que transforma vários fluxos 'anteriormente conhecidos', fazendo com que as distribuições de cargas pelo país sejam alteradas consideravelmente", aponta o PNL.

De acordo com o PNL, um dos pontos que chamam a atenção nesse cenário é a integração da ferrovia Fico, que nesse cenário seria estendida até Porto Velho, com o corredor de cargas gerais utilizando as rodovias BR-319/AM, BR-364/RO e a via navegável do Rio Madeira.

"Dentro da ótica que este Plano permite observar, há a necessidade de solução para o corredor que liga Manaus ao centro do país, em especial aos mercados consumidores do Mato Grosso, de Goiás e do norte do Mato Grosso do Sul, assim como uma possibilidade de melhor integração com o mercado de produção e consumo da Bolívia", aponta o plano.