A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Pior crise hídrica em 91 anos impulsiona mercado de GNL no Brasil

Com a menor geração de energia hidrelétrica, o país tem recorrido às usinas termelétricas, em parte dependentes do combustível importado

Por Sergio Chapa, Gerson Freitas Jr. e Anna Shiryaevskaya, da Bloomberg

A pior crise hídrica do Brasil em quase um século tem impulsionado a demanda do país por gás natural liquefeito.

Com a menor geração de energia hidrelétrica, o país tem recorrido às usinas termelétricas, em parte dependentes do combustível importado. Os desembarques de GNL dos EUA bateram recorde neste ano, e a Petrobras está buscando mais quatro carregamentos da commodity no mercado à vista.

A baixa dos reservatórios acontece em meio ao declínio da produção de gás da Bolívia, o maior fornecedor do Brasil. A estiagem também afeta outros países da América do Sul. O Chile está no mercado em busca de GNL, e operadores especulam que a Argentina pode ser a próxima.

“A América do Sul está ficando sem energia hidrelétrica por causa do clima seco, e não ficaria surpreso se compradores de toda a região estiverem comprando mais GNL”, disse Henning Gloystein, diretor global de energia e recursos naturais da consultoria Eurasia Group. “Além do Sudeste Asiático e da Índia, a América do Sul é uma área em crescimento para a demanda por gás.”

As usinas hidrelétricas respondem por cerca de 70% da energia produzida no Brasil. Com a falta de chuvas, o país já importou 34 carregamentos de GNL dos EUA nos últimos seis meses, segundo dados compilados pela Bloomberg. Como comparação, 17 cargas foram enviadas para o Chile e apenas quatro para o México, durante muito tempo o principal cliente dos americanos no hemisfério ocidental. As importações brasileiras se aproximam dos níveis tipicamente vistos apenas por clientes da Ásia e da Europa.

Há mais por vir. A Petrobras busca dois carregamentos para julho e mais dois para agosto, de acordo com tradings a par da licitação. A GNL Chile também quer comprar uma carga para meados de julho, enquanto a Argentina, com a chegada do inverno, pode em breve lançar uma terceira licitação para comprar o combustível nesta temporada, disseram operadores.

Dependente do clima

Resta saber por quanto tempo o aumento da demanda vai durar. As chuvas podem retornar e reabastecer os reservatórios, disse Ross Wyeno, analista de GNL da S&P Global Platts.

Os reservatórios hidrelétricos do Brasil estavam cerca de 45% cheios em uma base média ponderada, em comparação com a média de cinco anos de cerca de 53%, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

“Embora o Brasil tenha importado muito GNL dos EUA este ano, não é um comprador consistente, já que sua demanda é em grande parte impulsionada pela produção de energia hidrelétrica”, disse Wyeno.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, tem uma visão diferente. Segundo ele, o país continuará sendo um grande mercado para o GNL nos próximos anos, principalmente devido ao papel fundamental do combustível na transição energética.

A participação da energia hidrelétrica na matriz energética do Brasil deve cair para 49% até o final da década em relação a 70% agora, segundo o Ministério de Energia. O gás natural pode aumentar sua fatia no mercado dos atuais 6% para 15%.

De olho no potencial do mercado brasileiro, a New Fortress Energy adquiriu no começo do ano uma série de ativos de gás no país que pertenciam a uma parceria entre a Golar LNG e a Stonepeak, em uma transação avaliada em US$ 3,1 bilhões.

“O gás terá uma expansão natural nos próximos 10 anos”, disse Albuquerque. “O mercado brasileiro é competitivo porque tem grande demanda. Há oportunidades para todos."

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também