• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

PIB mundial pode ultrapassar US$ 100 trilhões pela primeira vez em 2022

Consultoria britânica prevê que a China deve liderar a economia global em 2030, superando os Estados Unidos
 (Reuters/Gary Cameron)
(Reuters/Gary Cameron)
Por Agência O GloboPublicado em 28/12/2021 11:27 | Última atualização em 29/12/2021 10:45Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O PIB mundial vai ultrapassar os US$ 100 trilhões pela primeira vez em 2022, e a China vai demorar mais tempo para superar os Estados Unidos como a maior economia do mundo do projetado anteriormente, de acordo com relatório publicado no último domingo.

A Tabela da Liga Econômica Mundial de 2021, desenvolvida pelo Centro de Economia e Pesquisa Empresarial (Cebr, na sigla em inglês), aponta que o principal fator para o crescimento será a sólida recuperação após a pandemia.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e acesse as notícias mais importantes do Brasil em tempo real.

Entretanto, se houver inflação persistente, a consultoria britânica acredita que órgãos encarregados de políticas monetárias vão enfrentar dificuldades para evitar que suas economias voltem ao patamar de recessão.

— O importante para a década de 2020 é como as economias mundiais enfrentam a inflação — afirmou o vice-presidente do Cebr, Douglas McWiliams. — Esperamos um ajuste relativamente pequeno para colocar os elementos não transitórios sob controle. Caso contrário, o mundo deverá se preparar para uma recessão em 2023 e 2024.

O prognóstico está em linha com as estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI), que também prevê um PIB mundial medido em dólares superior a US$ 100 trilhões no ano que vem.

PIB do Brasil cresce 5%

Para os próximos 15 anos, o Cebr projeta um crescimento tímido do Brasil, que sai do posto de 11ª economia mundial, em 2021 e 2022, para a 9ª posição, em 2036. O relatório prevê aumento de 5% no PIB brasileiro neste ano e de 0,98% para 2022.

Entretanto, apontam que o acumulado pode mudar devido a instabilidade política, inflação alta e a recessão enfrentada deste o terceiro trimestre. E aponta dificuldades a serem enfrentadas pela economia brasileira no próximo ano.

O principal desafio, segundo o Cebr, é equacionar inflação e taxa de juros altas com a baixa confiança de negócios e consumidores. Além disso, aponta as eleições presidencias de 2022 como episódio turbulento para a economia. Por outro lado, o avanço da vacinação e a retomada do ciclo das commodities podem alavancar o crescimento do PIB brasileiro.

No cenário da insegurança econômica, o documento cita a lenta recuperação da contração de dívida pública para implementar ações de combate à pandemia em 2020, que chegou a 98,9% no ano passado e fecha 2021 em 90,6% do PIB. No médio prazo, o centro projeta dívida pública chegando a 92% da produção interna.

Liderança chinesa em 2030

O relatório do Cebr mostra ainda que a China vai se tornar a maior economia global apenas em 2030. No ano passado, a projeção da consultoria era que isso acontecesse em 2028.

E a Índia deve retomar o posto de sexta maior economia do mundo em 2023, depois de superar a França e a Inglaterra, enquanto a Alemanha deve ultrapassar o Japão em 2033, segundo o Cebr. Entre as dez maiores economias, a Rússia deve ocupar a décima posição em 2036, e a Indonésia chegará à nona colocação dois anos antes, em 2034.